Em busca de mim

Em busca de mim

João Linhares*

22 de agosto de 2021 | 07h00

João Linhares. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Em meio a tantos,

quem sou eu?

Aquele que ama a chuva

o fogo, os ventos,

a humanidade

e a Deus.

Quero paz, acalento.

Esse é meu intento.

Mas quando vejo grassando o ódio,

a ganância,

a destruição,

o autoritarismo,

penso:

deixar de arrostá-los,

é coisa de ateu?

E me questiono:

quem sou eu?

Sou Pilatos

ou o Cirineu?

Vai embora a minha tranquilidade…

Quem são os que constroem com pedras

um caminho que deveria ser com penas?

Pessoas tacanhas,

almas pequenas.

O poeta é aquele

que chora e grita

com a pena de sua tinta;

que silencia e aquieta;

que abraça e corre.

Supimpa!!!

Aquele que, no epílogo,

procura a si mesmo!

E abraça o cosmo,

edifica a partir de destroços.

Na intimidade do seu eu,

do seu universo

etéreo, reverso,

simples e paradoxalmente

complexo.

Sublime, apocalíptico,

salvador.

Espanta-se a dor,

floresce a esperança.

E, assim, o eu renasce,

dia a dia,

em busca de si mesmo.

Luz que não foge,

luz que refulge.

*João Linhares, promotor de Justiça do Ministério Público de MS. Mestre em Garantismo e Processo Penal pela Universidade de Girona – Espanha. Especialista em Controle de Constitucionalidade e Direitos Fundamentais pela PUC – RJ. Integrante da Academia Maçônica de Letras de MS

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.