‘Já entrou um tico-tico lá que tava atrasado’

‘Já entrou um tico-tico lá que tava atrasado’

Suposta tratativa por ‘pagamento de propina’ embasa decisão do juiz Fernando Bardello Silva Fischer, da 23ª Vara Criminal do Paraná, que mandou o ex-governador tucano Beto Richa para a prisão na Operação Radiopatrulha; leia a decisão judicial

Fausto Macedo, Luiz Vassallo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

12 Setembro 2018 | 05h08

Reprodução de diálogo entre Beto Richa e Tony

A decisão do juiz Fernando Bardello Silva Fischer, da 23ª Vara do Paraná, que pôs o ex-governador Beto Richa (PSDB) em prisão temporária tem como base também um áudio em que o tucano é flagrado questionando suposto atraso de ‘pagamento’ ao doleiro Tony Garcia, delator da Operação Lava Jato.

Prisão de Richa traz reflexo negativo para Alckmin, avaliam tucanos

Documento

Candidato ao Senado pelo PSDB, Richa foi preso na manhã desta terça-feira, 11, em Curitiba, na Operação Radiopatrulha do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná. Também foram presos Fernanda Richa, mulher do tucano, Pepe Richa, irmão do candidato, e Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do Estado.

‘Eu tiro todos os prefeitos’, diz Beto Richa no grampo

As prisões estão relacionadas a investigações sobre o Programa Patrulha do Campo, para manutençãde estradas rurais, 2012 e 2014. Segundo o inquérito, há indícios de direcionamento de licitação para beneficiar empresários e pagamento de propina a agentes públicos, além de lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. No mesmo dia o juiz federal Sérgio Moro também mandou prender aliados dos tucanos no âmbito da Operação Piloto, que investiga um suposto pagamento milionário de vantagem indevida, em 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, o departamento de propina da empreiteira, para agentes públicos e privados no Estado do Paraná

Ao mandar o tucano para a cadeia, o juiz Fernando Fischer afirma que ele é apontado como ‘o chefe da organização criminosa e principal beneficiado com o esquema de recebimento de propinas’.”Na condição de Governador do Estado, a implementação e o funcionamento da máquina criminosa dependiam do seu aval e das suas ordens aos seus subordinados”.

“Os indícios de autoria estão consubstanciados no conjunto de elementos probatórios que instruem este pedido, em especial no áudio de gravação ambiental de mov. 1.25, em que o próprio investigado trata de assuntos relacionados ao atraso do pagamento da propina com o colaborador Tony Garcia”, anotou.

No áudio, Tony pergunta a Richa se tem falado com o empresário Celso Frare, um dos suspeitos de integrar o esquema de fraude à licitação. “Ele não acertou o negócio aí”, diz o doleiro a Richa.

O tucano responde. “Ah! Ele me agradeceu, “já entrou um tico-tico lá que tava atrasado, obrigado””. Em outro trecho, o ex-governador menciona que se trata de um suposto repasse. “Ele sabe que tá difícil sair, já pagaram uma parte… Bão…”.

O magistrado ainda menciona que ‘há diversas menções ao investigado Beto Richa em gravações de conversas de outros investigados, citando-o no contexto dos crimes’.

“Some-se a isso o fato dos eventuais delitos terem sido praticados sob a estrutura do seu Governo, no denominado programa “Patrulha do Campo”, com o envolvimento de seus principais homens de confiança. Por fim, há indícios da prática do delito de lavagem de dinheiro em seu benefício e mediante a utilização de empresas da sua família”, escreveu o magistrado.

LEIA A TRANSCRIÇÃO DA CONVERSA:
“(…)
TONY: Você tem falado com o CELSO FRARE?
BETO: Falei.
TONY: Quando?
BETO: Falei, anteontem.
TONY: Aonde?
BETO: No almoço na casa dos DE LARA. Com o EDUARDO
CAMPOS… Mas assim, de receber, falar sozinho, não.
TONY: Ele não acertou o negócio aí.
BETO: Ahn?
TONY: Ele não acertou o negócio aí.
BETO: Ah! Ele me agradeceu, “já entrou um tico-tico lá que tava
atrasado, obrigado”.
TONY: Isso.
BETO: Ele sabe que tá difícil sair, já pagaram uma parte… Bão…
TONY: Isso… Só que ele não pagou a parte que tem que pagar.
BETO: Se bobear, se não for pra cima, nós não…
TONY: Isso.
BETO: É você que ficou encarregado?
TONY: É eu que fiquei.
BETO: Então vai pra cima!
TONY: Vou pra cima, vou falar pra ele…
BETO: Eu não vou cobrar ele.
TONY: Não, você não pode! Nem você nem o PEPE.
BETO: Não sei de nada.
TONY: Deixa, você tem que ficar quieto. Fica na tua. Eu vou lá
falar com ele… O outro que eu tô pegando, firme, que também que é o mais que tá
recebendo e que não tá acertando, é o CASAGRANDE também. Já peguei ele também.
E agora pedi pro EZEQUIAS me ajudar. “EZEQUIAS só fala pra ele o seguinte ó, que
ele tem que fazer o que tá combinado com o PEPE”. O que ele tem que fazer. É o que
eu vou fazer com o CELSO e com o JOEL agora também. Entendeu?

COM A PALAVRA, BETO RICHA

A defesa do ex-governador Beto Richa até agora não sabe qual a razão das ordens judiciais proferidas. A defesa do ainda não teve acesso à investigação.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ROBERTO BRZEZINSKI NETO, QUE DEFENDE DEONILSON ROLDO

O advogado Roberto Brzezinski Neto, que defende Deonilson Roldo, afirmou que está analisando os autos e vai se pronunciar.

COM A PALAVRA, JORGE THEODOCIO ATHERINO

A reportagem está tentando contato com a defesa do empresário Jorge Theodocio Atherino. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, EZEQUIAS MOREIRA RODRIGUES

A reportagem está tentando contato com a defesa de Ezequias Moreira Rodrigues. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O GOVERNO DO PARANÁ

Governo do Estado está colaborando com todas as investigações em curso.

A governadora Cida Borghetti ressalta que não aceita nenhum tipo de desvio de conduta dos seus funcionários e que criou a Divisão de Combate à Corrupção para reforçar o combate à esse tipo de crime. Hoje a divisão esta fazendo buscas e apreensão em uma operação que combate fraudes a licitação

O Governo do Estado vai aguardar a divulgação de mais informações a respeito dessa fase da Operação Lava Jato para tomar outras providências.

COM A PALAVRA, JORGE THEODOCIO ATHERINO

A reportagem está tentando contato com a defesa do empresário Jorge Theodocio Atherino. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, EZEQUIAS MOREIRA RODRIGUES

A reportagem está tentando contato com a defesa de Ezequias Moreira Rodrigues. O espaço está aberto para manifestação.