Em áudio, advogado de Cerveró diz que Romário tem conta na Suíça

Em áudio, advogado de Cerveró diz que Romário tem conta na Suíça

Áudio que embasou prisão do senador petista mostra advogado comentando sobre risco de prisão do ex-jogador por manter ativos no exterior

Adriano Ceolin e Andreza Matais

25 Novembro 2015 | 15h23

romarioandre

O senador Romário (PSB-RJ). Foto: André Dusek/Estadão

O advogado Edson Ribeiro, responsável pela defesa do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, disse em conversa gravada com o senador Delcídio Amaral (PT-MS) que o senador Romário (PSB-RJ) tinha dinheiro numa conta na Suíça, mas foi avisado para retirá-lo para não “ser preso”. O diálogo, do início deste mês, foi uma das motivações das ordens de prisão contra o congressista e o advogado.

No áudio, Ribeiro afirma ao petista que recebeu a informação de que Romário tinha dinheiro guardado numa conta na Suíça e que foi avisado para retirar o valor do paraíso fiscal europeu, evitando, assim, uma prisão. Em troca, Romário, segundo o advogado, teria supostamente aceitado apoiar Pedro Paulo, pré-candidato do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB-RJ), à sua sucessão.

[veja_tambem]

Romário sempre negou ter conta na Suíça. Após a publicação de uma reportagem a respeito, ele demonstrou que os extratos que a comprovariam eram falsos e a revista “Veja” admitiu ter cometido um erro ao divulgar a informação.

A conversa foi gravada pelo filho de Cerveró, Bernardo Cerveró, que participou de reunião com Delcídio e o advogado do pai num hotel de Brasília no último dia 4 de novembro. Romário ainda não divulgou quem terá seu apoio na eleição para a prefeitura do Rio de Janeiro. Até o momento, a assessoria do senador ainda não se manifestou a respeito.

Leia trecho do diálogo que menciona esse episódio:

“Delcídio Amaral – Hoje eu estava com a minha agenda toda organizadinha para estar aqui às 13 horas. Para acabar de complicar ainda mais “O Globo” me aparece com Eduardo Paes, com Pedro Paulo, com Romário e com Ferraço.

ADVOGADO – Fizeram acordo, né?

DELCÍDIO – Diz o Eduardo que fez.

ADVOGADO – Foi Suíça.

DELCÍDIO – Foi Suíça é?

ADVOGADO – Tinha a conta realmente do Romário

DELCÍDIO – Do Romário é?

BERNARDO CERVERÓ – Tinha essa conta é?

DELCÍDIO – Em função disso fizeram o acordo?

ADVOGADO – Tinha dinheiro no banco que foi encontrado. [há um barulho e os presentes dizem ahhh]. Tira, senão você vai preso [mais barulho como se estivesse batendo na mesa].

DELCIDIO – O que eu achei estranho foi ele [Eduardo Paes] chegar [possivelmente para uma reunião com Delcídio acompanhado de Romário]. Eu disse: – Romário, o que você esta fazendo aqui? – E ele me disse: Eu estou acompanhando o Eduardo.

ADVOGADO – Esquisito né? Essa é a informação que me deram.

DELCÍDIO – O Eduardo eu tenho intimidade, principalmente na CPI dos Correios [que investigou o mensalão e foi presidida pelo petista. Na época, Paes era da oposição e sub-relator]. Ele era meu braço direito na CPI. Ele me disse – Não Delcídio. Eu chamei o Romário, disse na frente do Romário, nós acertamos uma aliança para o Romário apoiar o Pedro Paulo [candidato do PMDB à prefeitura do Rio]. Mas tem esse motivo é? Não é possível o que aconteceu. Quando eles chegaram eu disse: – O que vocês estão fazendo aqui, juntos? Daí o Eduardo explicou que fizeram uma composição. Daí eu fui fazer uma foto e eles fizeram juntos com as mãos.”

COM A PALAVRA, A DEFESA DO SENADOR DELCÍDIO DO AMARAL

Nota Oficial

A defesa do Senador Delcídio do Amaral (PT-MS) manifesta inconformismo em relação à decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal e a convicção de que o entendimento inicial será revisto. Questiona-se o fato de que as imputações tenham partido de um delator já condenado, que há muito tempo vem tentando obter favores legais com o oferecimento de informações. Questiona-se também a imposição de prisão a um Senador da República que sequer possui acusação formal contra si. A Constituição Federal não autoriza prisão processual de detentor de mandato parlamentar e há de ser respeitada como esteio do Estado Democrático de Direito.

Maurício Silva Leite, advogado do Senador Delcídio do Amaral

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoRomárioSuíça