‘Ele quer f…tudo que ele não participa’, disse Funaro sobre Geddel

‘Ele quer f…tudo que ele não participa’, disse Funaro sobre Geddel

PF resgatou mensagens trocadas em 2012 entre lobista preso na Operação Sépsis e ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto, que fez delação premiada

Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

09 de setembro de 2016 | 07h20

Geddel Vieira Lima. Foto: Reuters

Geddel Vieira Lima. Foto: Reuters

A Polícia Federal recuperou no telefone celular de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal e aliado do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), mensagens trocadas com o empresário Lúcio Funaro, em 2012, que citam Geddel Vieira Lima, ministro do governo Michel Temer. À época, Geddel ocupava a vice-presidência de Pessoas Jurídicas da Caixa e, segundo as mensagens, demonstrava ‘preocupação exacerbada’ com um aporte de R$ 30,6 milhões à empresa JMalucelli.

Documento

jmalucellififgts

A estrutura societária da JMalucelli Energia é composta pela JMalucelli Energia Participações Ltda., com 59,19%, e pelo Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS) com 40,81%. Geddel foi membro do Conselho de Administração da JMalucelli.

Relatório do Ministério do Trabalho, de 2012, aponta que o FI-FGTS ingressou no quadro societário da J. Malucelli Energia, ‘visando uma subscrição de 40,81% das ações, que correspondem ao aporte de R$ 330,61 milhões, liberados conforme as chamadas de capital, deliberadas pelos acionistas, para desenvolvimento dos projetos’.

Do total, R$ 30,61 milhões foram desembolsados em 2012.

“Em princípio, trata-se de uma transação típica de negócio da Caixa, porém, analisando-se os diálogos constantes do Relatório de Análise-RA N° 16/2016, verifica-se que Geddel Vieira, demonstrava uma preocupação exacerbada a esse aporte à J. Malucelli, segundo palavras de Fábio Cleto”, aponta a PF.

“Chamou atenção ainda a comunicação de aporte financeiro de R$ 30,6 milhões que Fabio Cleto recebera da Diretora Executiva de Fundos da Caixa, sra. Deusdina Pereira, operação de grande interesse, segundo Cleto, do vice-presidente da Caixa, sr. Geddel Vieira Lima, atual ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República do Governo provisório Michel Temer.”

O relatório é de 6 de junho de 2016, data em que Michel Temer era presidente em exercício.

As conversas entre Fábio Cleto e Lucky analisadas pela Federal neste relatório foram trocadas por celular entre 16 de março de 2012 e 22 de junho de 2012. “Inicialmente pudemos verificar que Fábio se reporta à Lucky para passar a movimentação do conselho (FI-FGTS) pois informa a data das reuniões, os votos dos conselheiros e pauta das próximas reuniões”, indica a Federal.

O aliado de Cunha usava o apelido de ‘Gordon Gekko’. Funaro era ‘Lucky’. Para a PF, o apelido de Cleto fazia referência ao ‘personagem do filme Wall Street, interpretado pelo ator Michael Douglas, que se tornou um símbolo do especulador inescrupuloso e imortalizou algumas frases como ‘A ganância é boa’ e ‘O dinheiro nunca dorme'”.

Fábio Cleto é delator da Lava Jato. O ex-vice da Caixa apontou propina a Eduardo Cunha em 12 operações do Fundo de Investimentos do FGTS e afirmou que a comissão era negociada na residência oficial do então presidente da Câmara.

À Procuradoria-Geral da República, Cleto contou que Eduardo Cunha cobrava comissões variáveis, de 0,3%, 0,5%, ou até mais de 1% dos repasses feitos pelo Fundo.

Lúcio Funaro foi preso na Operação Sépsis em 1 de julho. Ele é suspeito de achacar grandes empresas, em parceria com o parlamentar. Os investigadores apontam Funaro como operador de propina de Cunha.

O relatório da PF crava ainda que Funaro representava a BRVias, do empresário Henrique Constantino – filho de Nenê Constantino, pai do fundador da Gol -, também alvo da Sépsis. Segundo a PF, Henrique Constantino é nominalmente citado nas mensagens ‘aparentemente reclamando do andamento das negociações’.

“Após uma das reclamações de Constantino, Lucky ‘ameaça” Geddel (Geddel Vieira Lima), então vice-presidente de Pessoas Jurídicas da Caixa dizendo que ‘se ele não resolver vou fuder ele no Michel’ (mensagem do dia 5 de abril de 2012 às 19:55:17)”, destaca a Federal.

Na sequência das mensagens, às 19:57:47, indica a PF, ‘Lucky’ continua reclamando e ameaçando iniciar uma briga com Geddel. “Que ele é boca de jacaré para receber e carneirinho para trabalhar”, diz uma das mensagens apreendidas.

Em resposta, anota a Federal, Fábio Cleto afirma que “‘ele tá louco atrás dessa operação da JMalucelli’.

Funaro afirma em seguida. “Ele quer fuder tudo que ele não participa.”

COM A PALAVRA, O MINISTRO GEDDEL VIEIRA DE LIMA

‘Não vou comentar declarações de terceiros.”

COM A PALAVRA, A JMALUCELLI
De Curitiba/PR,

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A J. Malucelli Energia manifesta que recebeu com surpresa a desconfiança apontada na reportagem, visto que se tratou de um aumento de capital em que ambas as acionistas, J. Malucelli Energia Participações e FI-FGTS, aportaram, em suas respectivas proporções de participação, pouco mais de R$ 44 milhões e R$ 30 milhões respectivamente, de modo a atender as necessidades de finalização da implantação de empreendimentos da companhia e manter seus percentuais de participação acionária. Ademais, a atuação diligente de qualquer conselheiro (inclusive a do Sr. Geddel que possuía tal cargo à época) não deve ser encarada como “preocupação exacerbada”, uma vez que é uma obrigação legal que o cargo lhe atribui.

Sendo assim, para melhor entendimento, esclarece-se ainda que o aumento de capital de R$ 75 milhões foi solicitado pela diretoria na 22ª RCA, realizada em 23/11/2011, isso porque a J. Malucelli Energia estava investindo na implantação simultânea de 10 empreendimentos e havia a necessidade de aporte de recursos para a finalização de tais implantações. Na ata da referida reunião, constou o comprometimento dos conselheiros em diligenciar junto às acionistas que representam no conselho e, conforme texto da própria ata, “…envidar todos os esforços possíveis para que se obtenham as respostas sobre as alternativas até o final de janeiro de 2012, e informar aos demais conselheiros…”. Por fim, tendo em vista que a resposta não ocorreu dentro do prazo esperado e o aumento de capital foi formalizado apenas na 36ª AGE, realizada em 18/07/2012, a J. Malucelli Energia Participações adiantou a parte do aumento de capital que lhe caberia proporcionalmente (R$ 44.392.500,00), o que foi formalizado posteriormente na mencionada AGE que deliberou também o aporte de responsabilidade do FI-FGTS mencionado na reportagem.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Tendências: