Educação, tecnologia e desenvolvimento

Educação, tecnologia e desenvolvimento

Abby Daniell*

30 de outubro de 2020 | 03h30

Abby Daniell. FOTO: DIVULGAÇÃO

Em um mundo onde a única constante é a mudança, é importante refletir sobre o desenvolvimento dos países a partir da ótica da educação. É imperativo preparar as novas gerações com ferramentas para moldar o presente e criar o futuro, fomentar sua curiosidade e ensiná-las flexibilidade para se adaptarem a contextos incertos.

A tecnologia muda tudo. Não apenas como facilitadora da inovação, em especial a nuvem com seu potencial de democratização, mas também como fator que permite o desenvolvimento de outro conjunto de competências. Profissionais de diferentes setores podem se concentrar no desenvolvimento das áreas em que se destacam ao invés de focar no operacional.

Diante de um mundo atravessado pelas consequências da pandemia e pela urgência de se adaptar a esse contexto, a nuvem é vista, na prática, como o motor da transformação. Nos últimos dois meses, o movimento foi mais rápido do que nos últimos dois anos. Por trás da aceleração digital está um componente chave: a mudança cultural proporcionada pela nuvem. Falhar fica menos custoso, inovar e obter resultados rápidos fica mais fácil. A nuvem pode parecer um conceito abstrato, mas é tão simples quanto acender e apagar a luz de uma casa: o consumidor aperta um botão, e a empresa fornecedora de energia envia a eletricidade necessária. Antes, as organizações tinham que comprar e manter seus próprios data centers; em vez disso, agora podem comprar tecnologia e serviços conforme necessário, pagando apenas pelo seu consumo.

Para os países da América Latina, onde o talento está tão bem distribuído, a oportunidade é única: a demanda por desenvolvedores, profissionais com conhecimento de nuvem.  Assim como líderes empresariais com visão de futuro não deixa de aumentar, a oferta de pessoas  capacitadas não é suficiente. No Brasil, o mercado de Tecnologia da Informação deve ter, em quatro anos, cerca de 290 mil vagas abertas, segundo estudo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). O País segue a tendência da região e também enfrenta um desequilíbrio entre oferta e demanda, já que a mão de obra qualificada ainda é escassa.

Algumas das estratégias mais bem sucedidas apelam a uma visão colaborativa e intersetorial na concepção de soluções. Muitas concentram o foco na capacitação digital das gerações mais jovens, na criação de laboratórios de inovação – que conectam funcionários públicos, cidadãos, indústria, empresas de tecnologia e o mundo acadêmico para encontrar soluções disruptivas a problemas públicos -, bem como acordos de colaboração entre universidades, empresas tecnológicas e polos de inovação – que buscam fomentar a criação de ecossistemas de inovação locais.

Definitivamente, os problemas coletivos requerem soluções colaborativas, e para isso existem ferramentas do setor privado que buscam respaldar instituições educativas e governamentais responsáveis por educar, potencializando a aprendizagem e a capacitação dos estudantes.

A pandemia impulsionou a adoção da nuvem pública em todos os setores. Atualmente, tanto o setor público quanto o privado priorizam a transformação digital e se dedicam a pensar em como ferramentas baseadas na nuvem potencializam a força de trabalho de hoje e de amanhã, assim como a vida dos cidadãos a curto, médio e longo prazo.

Essa simplicidade, agilidade e possibilidade de inovação que a nuvem representa precisa ser bem aproveitada, principalmente para que não apresente um desafio paralisante. Por isso, é fundamental investir em educação. É essencial olhar para a agenda de transformação digital de maneira holística, entendendo que todas as organizações devem pensar em como capacitar seus profissionais, bem como apoiar a sociedade nesse processo. A lógica é a da aprendizagem contínua: dotemos as pessoas com a habilidade de pensar grande e serem os agentes de mudança que permitem a transformação.

*Abby Daniell, gerente de Desenvolvimento de Negócios do Setor Público da AWS para a América Latina

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: