Eduardo Bolsonaro diz que Supremo ‘atropela’ Congresso e vê ‘radicalismo’

Eduardo Bolsonaro diz que Supremo ‘atropela’ Congresso e vê ‘radicalismo’

Filho do presidente critica Corte que 'bota adiante a agenda progressista, aborto, gênero, livrar corruptos da Lava Jato presos'

Pepita Ortega e Pedro Prata

27 de setembro de 2019 | 15h25

Um dia depois de o Supremo Tribunal Federal acolher tese que pode golpear a Lava Jato e anular pelo menos 32 sentenças, aliviando para 143 condenados, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/RJ) disse nesta sexta, 27, que a Corte ‘atropela o Congresso‘.

Eduardo Bolsonaro: ‘O que mais queremos é viver em harmonia sob o império das leis, mas o STF não tem deixado’. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

No Twitter, o filho do presidente Jair Bolsonaro falou. “Neste cenário a cada decisão do STF que atropela o Congresso e bota adiante a agenda progressista (aborto, gênero, livrar corruptos da Lava Jato presos) mais pessoas vão para o radicalismo.”

Na sessão de quinta, 26, os ministros do Supremo decidiram que réu delatado tem direito a se manifestar em processo criminal depois do réu delator.

O STF ainda vai ‘modular’ a decisão – definir exatamente o seu alcance -, na sessão da próxima quarta, 2, mas os investigadores já avaliam que a Lava Jato sofreu seu mais pesado revés.

“O que mais queremos é viver em harmonia sob o império das leis, mas o STF não tem deixado”, postou Eduardo Bolsonaro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.