‘É sobre um atestado que eu tô precisando’, diz mulher de Henrique Alves no grampo

‘É sobre um atestado que eu tô precisando’, diz mulher de Henrique Alves no grampo

Telefonema de Laurita Arruda para médico foi interceptado pela Polícia Federal; Procuradoria afirma que objetivo da família, ao encomendar atestado falso, era impedir transferência do ex-ministro de Natal para Brasília

Julia Affonso e Ricardo Araújo

27 de outubro de 2017 | 05h00

Foto: Reprodução/MPF

A mulher do ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB – Governos Dilma e Temer/Turismo) foi flagrada em grampo da Polícia Federal supostamente encomendando um atestado médico para o marido. No telefonema, ela cita uma bursite no ombro do peemedebista, preso desde 6 de junho. O objetivo, segundo o Ministério Público Federal, no Rio Grande do Norte, era evitar uma transferência de Henrique Eduardo Alves de Natal para Brasília.

Henrique Alves articulou, da cadeia, transferência de bens, diz delegado

+ Mulher e filha de Henrique Alves são alvo de buscas da PF

“O documento, na realidade um laudo médico, e não um atestado, acabou sendo efetivamente usado em habeas corpus impetrado por Henrique Eduardo Lyra Alves perante o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região para evitar sua transferência de Natal/RN para Brasília/DF”, afirmou a Procuradoria da República.

Henrique Alves recorreu a desembargador preso por venda de sentença, revela grampo

+ Avião levou milhões para a campanha de Henrique Alves, diz delator

OAS pagou propina a Henrique Alves via conta da campanha de Temer, diz Procuradoria

O diálogo foi capturado na Operação Alcmeon, que investiga venda de sentenças judiciais no Estado, e compartilhado com a Operação Lavat, deflagrada nesta quinta-feira, 26 – três assessores de Henrique Alves foram presos. O Ministério Público Federal pediu buscas na clínica Orthos Valmar Martins.

“Compreende-se ser imprescindível, ainda, a realização de diligência de busca e apreensão na clínica do médico (ORTHOS – Walmar Martins) que elaborou o laudo aparentemente falso em favor de Henrique Eduardo Lyra Alves no caso, a fim de arrecadar os registros de atendimento de pacientes do dia (25 de maio de 2017) em que teria ocorrido a avaliação clínica do ex-parlamentar, bem como a própria ficha médica do ex-deputado estadual”, anotou a Procuradoria em manifestação à Justiça.

“A medida preordena-se a esclarecer o possível cometimento do crime de falsidade ideológica de documento particular, previsto no artigo 299 do Código Penal.”

A ligação ocorreu no dia 10 de julho, às 13h18. “Laurita Arruda aparentemente providencia um laudo médico falso, perante o ortopedista Walmar Martins, acerca do estado de saúde de Henrique Alves”, relata a Procuradoria.

A atendente da clínica atende Laurita e pergunta à mulher de Henrique Alves sobre o motivo da ligação.

“É sobre um atestado que eu tô precisando. Eu falei com ele por Whatsapp”, responde Laurita.

Valmar atende a mulher do ex-ministro a quem chama de ‘amiga’.

Laurita explica ao médico. “Eu recebi um telefonema agora do advogado e…e só me ocorreu seu nome porque…o advogado vai precisar entrar com uma petição pra reforçar a necessidade de Henrique ficar aqui. Não ser transferido, entendeu?”

“Sim”, afirma dr. Valmar.

“Aí eu me lembrei da bursite dele. A necessidade dele fazer tratamento e acompanhamento aqui. Então eu tava precisando de um atestado nesse sentido”, diz Laurita.

A mulher de Henrique Alves pergunta. “O senhor poderia fazer. Eu poderia mandar buscar?”

“Pode. Pode sim. Pode sim. Tem problema nenhum, não”, diz o médico.

“Aí, colocando bem…vamos dizer, no mais alto grau da bursite, entendeu?”, pede Laurita.

“Certo, certo”, responde o médico.

“A idade dele. Levando em consideração isso, tá certo?”, diz Laurita.

Dr. Valmar responde. “Por falar nisso…a idade de Henrique hoje, tá…sessenta e nove?”

“Vai fazer sessenta e nove anos”, explica a mulher do ex-ministro.

Em um trecho seguinte, o médico pergunta. “O ombro atingido dele é o ombro…esquerdo, é?”

“Direito”, afirma Laurita.

“Direito. Certo. Ok. Eu vou preparar isso aqui. É Henrique Eduardo…”, questiona o médico.

“Lyra, com “ípsilon”, Alves”, responde a mulher.

“Tá”, retorna Valmar.

“E ele realmente está lá. Magno tá indo. Ele tomou injeção. Realmente ainda sente muita dor. E aí seria uma, um documento que ajudaria a gente, sabe?”, explica Laurita.

Em um trecho adiante, DR. Valmar afirma. “Eu preparo isso aqui e cê pode mandar pegar hoje a tarde.”

Ao fim do diálogo, o médico diz. “Tchau Laurita. Que dê tudo certo. Torcendo pra que vai dar tudo certo, viu?”

VEJA A ÍNTEGRA DO DIÁLOGO

ATENDENTE DA CLÍNICA: Orthos Walmar Martins(incompreensível), boa
tarde?
LAURITA: Boa tarde. Por favor, dr. Walmar está?
ATENDENTE DA CLÍNICA: Quem gostaria?
LAURITA: É Laurita Arruda. Eu sou paciente dele.
ATENDENTE DA CLÍNICA: É sobre o quê, Larissa?
LAURITA: Alô?
ATENDENTE DA CLÍNICA: Oi Larissa. Era sobre o quê que você gostaria de falar?
LAURITA: É Laurita. É sobre um atestado que eu tô precisando. Eu falei com ele por whatsapp.
ATENDENTE DA CLÍNICA: Laurita de quê?
LAURITA: Laurita Arruda Câmara.
ATENDENTE DA CLÍNICA: Arruda. Aí a senhora falou com ele pelo celular dele, foi?
LAURITA: É. Eu queria falar. Posso falar com ele?
ATENDENTE DA CLÍNICA: Só um minuto, por favor.
LAURITA: Tá.
De 01min até 01:54s a atendente inicia a transferência da ligação para o Dr. Walmar e fica sem diálogo.

A partir de 01:54s Dr. Walmar atende e se inicia o diálogo transcrito abaixo:

DR. WALMAR: Alô.
LAURITA: Dr. Walmar?
DR. WALMAR: Oi Laurita.
LAURITA: Tudo bem? Desculpe aí lhe incomodar.
DR. WALMAR: Não. Você não incomoda não. É o maior prazer, viu?
LAURITA: Mas é…
DR. WALMAR: Diga amiga (incompreensível)…
LAURITA: Eu recebi um telefonema agora do advogado e…e só me ocorreu seu nome porque…o advogado vai precisar entrar com uma
petição pra reforçar a necessidade de Henrique ficar aqui. Não ser transferido, entendeu?
DR. WALMAR: Sim.
LAURITA: Aí eu me lembrei da bursite dele. A necessidade dele fazer tratamento e acompanhamento aqui. Então eu tava precisando de um
atestado nesse sentido.
DR. WALMAR: Sim. Certo.
LAURITA: O senhor poderia fazer. Eu poderia mandar buscar?
DR. WALMAR: Pode. Pode sim. Pode sim. Tem problema nenhum, não.
LAURITA: Aí, colocando bem…vamos dizer, no mais alto grau da bursite, entendeu?
DR. WALMAR: Certo, certo.
LAURITA: A idade dele. Levando em consideração isso, tá certo?
DR. WALMAR: Por falar nisso…a idade de Henrique hoje, tá…sessenta e nove?
LAURITA: Vai fazer sessenta e nove anos.
DR. WALMAR: Tem meia oito.
LAURITA: É.
DR. WALMAR: Sessenta e oito anos, né?
LAURITA: É.
DR. WALMAR: O ombro atingido dele é o ombro…esquerdo, é?
LAURITA: Direito.
DR. WALMAR: Direito. Certo. Ok. Eu vou preparar isso aqui. É Henrique Eduardo…
LAURITA: Lyra, com “ípsilon”, Alves.
DR. WALMAR: Tá.
LAURITA: E ele realmente está lá. Magno tá indo. Ele tomou injeção. Realmente ainda sente muita dor. E aí seria uma, um documento que
ajudaria a gente, sabe?
DR. WALMAR: Entendi, entendi. Tá certo.
LAURITA: Tá certo?
DR. WALMAR: Eu preparo isso aqui e cê pode mandar pegar hoje à tarde.
LAURITA: Mando. Eu posso mandar que horas, Dr.Walmar?
DR. WALMAR: Depois das 14h. 14h30 mais ou menos.
LAURITA: Tá ótimo.
DR. WALMAR: Tá certo? (Incompreensível).
LAURITA: Muito obrigado.
DR. WALMAR: Nada.
LAURITA: Tá. Muito obrigada.
DR. WALMAR: Tchau Laurita. Que dê tudo certo. Torcendo pra que vai dar tudo certo, viu?”

A reportagem está tentando contato com as defesas dos investigados.

COM A PALAVRA, HENRIQUE ALVES

A afirmação de que terceiros estariam lavando dinheiro de Henrique Alves é absolutamente falsa e mentirosa. Andressa, filha de Henrique, está vendendo um imóvel de sua propriedade para pagar dívidas e garantir sua sobrevivência. A suposição de que a esposa de Henrique, Laurita, tivesse obtido documento falso sobre a sua condição de saúde é uma infâmia que atinge não apenas a ela, mas ao médico que o atende e a este advogado que jamais utilizaria de subterfúgio para enganar a Justiça. Basta uma consulta ao controle de entrada da Academia de Polícia para constatar a visita periódica de fisioterapeuta para tratamento de sua enfermidade. É lamentável que pessoas inocentes sejam envolvidas em investigação estéril e sem qualquer fundamento. A defesa apresentou resposta em que refuta com provas e documentos todas as acusações e confia na Justiça e na absolvição de seu cliente por ser inocente.

Marcelo Leal de Lima Oliveira
OAB/DF 21.932

COM A PALAVRA, O MÉDICO VALMAR MARTINS

A reportagem fez contato com a clínica Orthos Valmar Martins. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia FederalHenrique Eduardo Alves

Tendências: