É preciso ter atenção ao uso do cartão de crédito, avalia especialista sobre a Black Friday

É preciso ter atenção ao uso do cartão de crédito, avalia especialista sobre a Black Friday

Para Bruna Allemann, educadora financeira da Acordo Certo, cartão de crédito parece uma solução, mas pode levar o consumidor à inadimplência

Maria Isabel Miqueletto

17 de novembro de 2021 | 15h40

Especialista indica que, quando possível, é preferível comprar à vista. Foto: Unsplash

A Black Friday, temporada de promoções que antecede o Natal, será realizada no próximo dia 26 de novembro. Na data, há muitos consumidores que optam pelo parcelamento por meio do cartão de crédito. Para Bruna Allemann, educadora financeira da Acordo Certo, cartão de crédito parece uma solução, mas pode levar o consumidor à inadimplência.

De acordo com um levantamento da Confederação Nacional de Dirigente Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e o Sebrae, 84% dos consumidores que utilizaram o cartão de crédito nos últimos 12 meses não estão cientes das taxas de juros.

“A Black Friday pode ser um bom momento para aquisição de produtos com preços menores, mas é preciso atenção em dois pontos: não sair comprando desnecessariamente e com o uso do cartão de crédito. Parcelar, a princípio, pode parecer uma saída para que as compras caibam no bolso, mas, as taxas de juros são muito elevadas, caso você não consiga arcar com a sua fatura, e podem gerar uma dívida inestimável”, alerta Allemann.

A preferência é que todos os produtos sejam comprados à vista, avalia a especialista. Ela indica que, nesse caso, o consumidor avalie se o preço cabe no orçamento disponível e se não será preciso tirar dinheiro da reserva de emergência ou de investimentos. “Só compre à vista caso tenha um dinheiro que, literalmente, esteja sobrando e que você juntou para pagar aquilo”, orienta.

Por outro lado, para Allemann, o parcelamento de uma compra só vale a pena quando o produto ou serviço tem um alto valor agregado e há uma real necessidade de aquisição naquele momento. É o caso de eletrodomésticos, eletroeletrônicos e itens para trabalho que têm alto custo. “Nesse caso vale diluir em parcelas. Contudo, não deixe de somar o valor total da sua atual fatura de cartão, já que de prestação em prestação, vira uma bola de neve”, acrescenta a educadora financeira.

A especialista ainda ressalta que, apesar de ser uma época conhecida pelos descontos, a Black Friday nem sempre tem as melhores oportunidades de compra. Em alguns casos o melhor é esperar para fechar a compra. “É fundamental que a gente faça algumas perguntas como: ‘eu preciso? Tenho dinheiro? Está barato?’, para identificar uma real necessidade de compra. Lembre-se de que há outras datas, como Dia das Mães, Dia dos Pais e as promoções de janeiro e julho, que são boas oportunidades para conseguir desconto. Fique atento”, pontua.

Tudo o que sabemos sobre:

Black Friday

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.