E não é mentira!

E não é mentira!

Se há alguns anos algum vidente nos revelasse o que aconteceria no Brasil, na política, na economia, na sociedade, mandaríamos internar o meliante por charlatanismo, o prenderíamos por estelionato e até quem sabe o acusaríamos de mau brasileiro e de tentativa de golpe. No próximo dia 1.º de abril - sim, já praticamente chegou - qualquer mentira que tentarmos pregar será muito menor do que a realidade. Você acreditaria se tivessem te contado isso?

Marli Gonçalves*

24 de março de 2019 | 07h00

Marli Gonçalves. FOTO: DIVULGAÇÃO

O mito vai despencar na aprovação da administração e forma de governar em menos de cem dias do governo, e uma decepção geral entre seu eleitorado logo será sentida no ar que se respira. Dois ex-presidentes da República serão presos, um popular e outro totalmente impopular, este último, inclusive, será preso de forma açodada, no meio da rua, tirado do carro e levado para outro Estado.

Filhos do presidente que será eleito com grande maioria criarão problemas diários e levarão o governo à bancarrota; reformas previstas podem não sair do papel. Virão do Supremo Tribunal Federal ordens para que sejam investigados e presos autores de ameaças, e assim os julgadores é que irão atrás dos julgados, numa certa controvérsia de papeis. Haverá quem dê mais atenção e valor às notícias falsas do que às apurações da imprensa. Grupos acenderão velas e rezarão muito para que a economia ande, senão pairará uma nuvem cinza sobre o país, e dela choverão pontos de interrogação.

A oposição tomará um chá de sumiço. Os perdedores quase não serão mais encontrados. De vez em quando alguns aparecerão apenas soluçando pela libertação do grande líder, sem o qual eles não terão a menor ideia do que fazer.

Os militares de alta patente voltarão ao poder, ocupando cargos importantes, oito, para início da conversa. Seu porta-voz será o vice-presidente, também general. Será esse general vice-presidente quem dará as declarações mais ajuizadas, ponderadas, para surpresa geral da Nação, que passará a admirá-lo criando ciúmes no presidente, sua família e auxiliares mais próximos.

A Lava Jato, logo depois de seu aniversário de cinco anos, sofrerá revezes, e o seu poderoso juiz que largará tudo para ser ministro se verá confuso no meio de embates políticos e comendo o pão que o diabo amassou para manter seu prestígio, que também poderá ficar abalado e sofrer derrotas.

Um jovem presidente da Câmara será reeleito e de repente se transformará em líder, mais maduro e independente, consciente de sua força na articulação para aprovação de reformas que serão fundamentais para o país, mas que enfrentarão forte resistência popular e política.

Também ele será alvo de torpedos apoiados e disparados pelos açodados filhos do presidente, mas responderá um a um com palavras duras, mantendo-se firme na condução do que acredita será a pavimentação de sua candidatura a presidente em uma eleição próxima, quando disputará com outro ‘jovem’, que será governador de São Paulo e que também só pensa nisso dia e noite.

Ainda na Congresso poderão ser encontradas figuras pitorescas como um ex-ator, inclusive de pornôs, e vários polêmicos ex-jornalistas, que abandonaram a imprensa justamente por acusações que vão desde doideiras gerais a plágios e ligações com a indústria armamentista.

Uns logo sumirão ali no meio das raposas; outros tentarão ser as próprias raposas. Farão de um tudo para aparecerem dando declarações sem sentido no horário nobre, quando tentarão se mostrar ‘assim, ó’ com o poder constituído.

Poder esse que terá ministros e pouquíssimas ministras; e entre eles alguns que chegarão a ser engraçados quando falarem o que pensam, ou por ignorância ou pela religião que professam.

Na internet serão esculhambados diariamente em memes, piadas e charges.

A internet e as redes sociais serão usadas para governar, e eles próprios gravarão vídeos que publicarão em seus perfis e a imprensa terá de correr atrás; assim tentarão não ter de encontrar repórteres e suas perguntas desagradáveis. Formarão um exército de colaboradores internautas, escolhidos entre os mais mal-educados e agressivos, que passarão os dias atacando e ameaçando quem pensar diferente e a imprensa, porque acreditarão piamente que são importantes, que o legal é cantar o hino todo dia, uma educação anódina e uma moral hipócrita. Muitos, aliás, terão como guru um velho astrólogo de direita, catapultado a gênio, que não parará de dar palpites, arrumar encrencas até com os generais, e que nem no Brasil mora.

Querem mais destas previsões, ou será melhor aguardar quais serão as próximas “Máximas da Tosquice” das quais até nós já estamos tendo as visões?

*Marli Gonçalves, jornalista
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.