‘É claro que os brasileiros vão compreender’

‘É claro que os brasileiros vão compreender’

Procurador da Lava Jato ironiza presidente Michel Temer e ataca corrupção de 200 bilhões e 'emendas milionárias' que peemedebista liberou para deputados aliados

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Fausto Macedo

21 Julho 2017 | 14h38

Cordenador da força tarefa da operação Lava Jato no MPF, em Curitiba, Deltan Dallagnol. FOTO: THEO MARQUES/ESTADÃO

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, criticou, nesta sexta-feira, 21, a declaração do presidente Michel Temer, na noite anterior, em viagem à Argentina, em que o peemedebista disse que ‘a população vai entender o aumento de impostos’. Para o procurador da República, ‘é claro que os brasileiros vão compreender o aumento de impostos’, já que ‘desviam R$ 200 bilhões por ano praticando corrupção’.

Nesta quinta-feira, 20, ao chegar em Mendoza, na Argentina, o presidente afirmou que a  a decisão anunciada pelo governo de anunciar aumento de  PIS e Cofins para gasolina, diesel e etanol, está em linha com a responsabilidade fiscal e será bem compreendido pela população.

“Vocês lembram que nós abandonamos logo do começo governo a CPMF, algo que estava o horizonte de todos quando assumimos (…) mas agora levamos a efeito um pequeno aumento que diz apenas ao combustível e não diz respeito ao serviço”, afirmou. “A população vai compreender porque esse é um governo que não mente”, completou, ressaltando que é preciso dizer “exatamente o que está acontecendo”.

Em resposta a Temer, em suas redes sociais, Dallagnol atribuiu o aumento de impostos à irresponsabilidade fiscal e à corrupção.

“Desviam 200 bilhões por ano praticando corrupção; deixam de aprovar no Congresso medidas anticorrupção; gastam mais do que devem inclusive via emendas milionárias para parlamentares a fim de comprar o apoio parlamentar para livrar Temer da acusação legítima por corrupção; e agora querem colocar a conta disso tudo no nosso bolso, aumentando impostos”

O procurador da República ainda disse que ser necessário ‘recuperar nossa dignidade’.

“Toda vez que eu for abastecer o carro, que eu pensar na saúde e educação pobres, que eu topar com buracos em estradas e infraestrutura precária que prejudica investimentos, vou lembrar disso tudo. E em 2018 vou mostrar toda a minha compreensão do que está acontecendo e dar minha resposta contra os corruptos, como cidadão, nas urnas”.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato