Doria vai novamente à Justiça contra Kajuru

Doria vai novamente à Justiça contra Kajuru

Em mais uma queixa-crime contra senador por Goiás, advogado do governador se insurge contra posts que o acusam de 'sujo', 'mentiroso', 'picareta social'

Luiz Fernando Teixeira

25 de setembro de 2019 | 06h58

Kajuru (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado) e Doria (Foto: Hélvio Romero/Estadão)

O governador de São Paulo João Doria (PSDB) apresentou uma nova queixa-crime contra o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) nesta terça-feira, 24, por causa de posts nas redes sociais que, na avaliação do tucano, ofendem sua honra. Doria alega sofrer crimes de calúnia, difamação e injúria.

Segundo o advogado Fernando José da Costa, constituído por Doria, o senador compartilha matérias com ‘claro intento ofensivo, extrapolando o direito à liberdade de expressão’.

Esta não é a primeira queixa-crime que Doria apresenta contra Kajuru por crimes contra a honra.

Em abril, o senador declarou em entrevista que o governador era ‘chumbrega’, ‘escória’, ‘vazio’ e ‘inculto’. Em resposta, ele afirmou que “tem que levar no bom humor, né? Ser processado por uma figura que nem ele, um picareta social”.

Nesta nova ação, o advogado de Doria alega. “Dentre as últimas ofensas, o querelado qualificou o atual Governador do Estado de São Paulo como ‘sujo’, ‘mentiroso’, ‘picareta social’, ‘falso’, ‘gângster anti Brasil’, ‘malandro’, ‘lixo não reciclável’, ‘bandido’, ‘canalha’, ‘ingrato’ e ‘vigarista’, além de sugerir de forma aviltante à sua reputação profissional que João Doria comandaria uma ‘quadrilha dos Detrans’, teria nomeado uma ‘amante em cargo especial’, além de outros fatos caluniosos e difamatórios.”.

Fernando José da Costa computou dezoito ‘expressões injuriantes’ de Kajuru contra Doria.

Ele alega que as declarações do senador ‘extrapolam a sua função política’ e ‘não estão relacionadas à atividade legislativa vinculada ao cargo’.

O advogado afirma que Kajuru ‘se aproveita de seu maior prestígio e visibilidade na mídia enquanto senador para, dolosamente, ofender a honra objetiva e subjetiva de João Doria’.

Como evidência, Doria apresenta diversos prints de compartilhamentos de Kajuru no Twitter, Facebook e Instagram.

Um exemplo é uma matéria do portal Agora Paraná, que segundo a defesa de Doria ‘carece de qualquer credibilidade”. O tucano pede que o secretário de Transportes do Estado, Alexandre Baldy, seja ouvido como testemunha.

“A disseminação de fatos e palavras ofensivas à honra subjetiva, ou seja, sua dignidade e decoro, não está de modo algum ligada às ‘opiniões, palavras e votos’ relativos ao exercício do mandato ou a uma simples e legítima crítica”, traz a queixa-crime.

Segundo a representação, Kajuru tem ciência de que suas palavras jamais seriam críticas, mas de fato ofensivas à sua honra subjetiva. “Ainda mais levando-se em conta que o querelado já foi condenado por crimes contra a honra e ainda responde a inúmeros outros processos por condutas semelhantes”, conclui.

COM A PALAVRA, KAJURU

A reportagem fez contato com o senador Jorge Kajuru. Ele não se manifestou sobre a queixa-crime de João Doria.

Tudo o que sabemos sobre:

São Paulo [estado]João DoriaJorge Kajuru

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.