Doria manda Major Olimpio ‘trabalhar’ e senador diz que tucano ‘não tem respeito’; assista

Doria manda Major Olimpio ‘trabalhar’ e senador diz que tucano ‘não tem respeito’; assista

Bate-boca entre governador de São Paulo e parlamentar do PSL ocorreu na manhã desta segunda, 16, durante visita do chefe do Executivo Paulista à sede do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), na zona oeste de São Paulo

Pedro Prata

16 de março de 2020 | 16h27

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o senador Major Olimpio (PSL/SP) se envolveram em uma confusão na manhã desta segunda, 16. O senador proferiu palavras de ordem em frente ao Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, onde o governador realizava visita. Os dois trocaram palavras ríspidas e Olimpio foi empurrado e retirado do local por seguranças.

Em um dos vídeos, é possível ver o momento em que Olimpio se encontra com Doria, já dentro do Dope. “Vai trabalhar!”, diz Doria, ao que Olimpio responde: “Você não tem respeito!”

Olimpio então é empurrado para fora da sede do Dope e os portões são fechados. Ele ainda discute com os seguranças. “Eu sou senador seu moleque!”, diz a um dos funcionários do governador.

Em nota, Doria disse que “é um desrespeito ao povo de São Paulo um senador da República que vira as costas para o grave tema da saúde pública. E quer fazer campanha política, ideológica e sindical na hora errada.”

A agenda oficial do governador informa que ele esteve em visita ao Dope com o diretor do departamento, delegado Nico Gonçalves, e com o secretário da Segurança Pública, General João Campos. O evento ocorreu das 10h às 11h da manhã.

Major Olimpio, por sua vez, alegou que foi chamado ao local por policiais civis. “João Doria escalou policiais do Dope para estarem desde as 7h para fazer imagens com ele. Verdadeiro absurdo! Os policiais me acionaram, eu fui para a frente do Dope. Como não fui convidado a entrar, não ingressei no prédio”, conta por meio de vídeo gravado após o tumulto.

O senador estava acompanhado do deputado federal Coronel Tadeu (PSL/SP). Os dois proferiram palavras de ordem em uma caixa de som até a chegada do governador e o início da confusão. Major Olimpio alega que ele e o deputado tentaram conversar com Doria, mas que o governador lhe disse ‘impropérios’.

Por meio de nota, o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (SINDPESP) repudiou o que classificou ‘agressões da escolta do governador João Doria contra Major Olimpio’ e prestou apoio ao senador.

“O Major Olimpio, uma das vozes mais atuantes na defesa da Segurança Pública paulista, foi hostilizado e agredido por ecoar os anseios de todos os policiais civis do Estado de São Paulo”, diz a nota.

COM A PALAVRA, JOÃO DORIA

“Em relação aos ataques do senador Major Olimpio, o Governador João Doria informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que está ‘preocupado com a saúde dos brasileiros de São Paulo. Major Olimpio deveria honrar o seu mandato e fazer o mesmo. Não é hora de fazer proselitismo político eleitoral. É um desrespeito ao povo de São Paulo um senador da República que vira as costas para o grave tema da saúde pública. E quer fazer campanha política, ideológica e sindical na hora errada’.”

COM A PALAVRA, MAJOR OLIMPIO

“João Doria escalou policiais do Dope para estarem desde as 7h para fazer imagens com ele. Verdadeiro absurdo! Os policiais me acionaram, eu fui para a frente do Dope.
Como não fui convidado a entrar, não ingressei no prédio. Eu e o deputado Tadeu, com a minha caixinha de som, ficamos fazendo falas.
O governador chegou, nós tentamos abordá-lo, eu sentei na frente do carro. Quis conversar com ele, o Tadeu também. E ele começou a me dizer impropérios e, logicamente, protegido pela segurança, fez com que a segurança me colocasse para fora do evento.
Lamentável, atitude covarde do João Doria. Não comigo – comigo que se dane. Mas com os policiais de São Paulo. Não vai ficar barato isso.”

Tendências: