Doria defende ‘limpeza do Brasil’

Doria defende ‘limpeza do Brasil’

Prefeito paulistano declarou apoio ao juiz federal Sérgio Moro, da Lava Jato, que nesta quarta-feira, 10, interroga o ex-presidente Lula em meio a manifestações que tomam Curitiba

Juliana Diógenes e Adriana Ferraz

10 de maio de 2017 | 12h55

Foto: Andre Penner/APF e Alex Silva/ESTADÃO

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) manifestou nesta quarta-feira, 10, apoio ao juiz federal Sérgio Moro, à Operação Lava Jato e à “limpeza do Brasil”. Às 14h, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será interrogado pelo magistrado em Curitiba.

“A Justiça tem que ser cumprida. E todo apoio à Lava Jato, todo apoio ao juiz Sérgio Moro, todo apoio à limpeza do Brasil, que os corruptos desapareçam do Brasil”, afirmou, após a inauguração do primeiro Centro Temporário de Acolhimento (CTA) para moradores de rua da capital paulista.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também se manifestou sobre o depoimento de Lula.

“Ninguém está acima da lei. O Judiciário tem que seguir o seu trabalho”, disse Alckmin.

Alckmin, citado por delatores da Odebrecht, disse estar ‘absolutamente tranquilo sobre a citação de seu nome’. O governador declarou ter ’40 anos de vida pública honesta e o mesmo patrimônio’.

Lula será interrogado pelo juiz federal Sérgio Moro. A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira por meio do triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016.

O Edifício Solaris era da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), a cooperativa fundada nos anos 1990 por um núcleo do PT. Em dificuldade financeira, a Bancoop repassou para a OAS empreendimentos inacabados, o que provocou a revolta de milhares de cooperados. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi presidente da Bancoop.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia (morta em 2017) assinou Termo de Adesão e Compromisso de Participação com a Bancoop e adquiriu ‘uma cota-parte para a implantação do empreendimento então denominado Mar Cantábrico’, atual Solaris, em abril de 2005.

Em 2009, a Bancoop repassou o empreendimento à OAS e deu duas opções aos cooperados: solicitar a devolução dos recursos financeiros integralizados no empreendimento ou adquirir uma unidade da OAS, por um valor pré-estabelecido, utilizando, como parte do pagamento, o valor já pago à Cooperativa. Em 2015, Marisa Letícia pediu a restituição dos valores colocados no empreendimento.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLula

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.