Doleira da Lava Jato é condenada a 18 anos de prisão

Doleira da Lava Jato é condenada a 18 anos de prisão

Nelma Kodama, alvo da Operação Lava Jato, foi condenada por organização criminosa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção ativa

Redação

22 de outubro de 2014 | 16h15

Por Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

nelmakodamarep

A doleira Nelma Kodama, também conhecida como “Dama do Mercado”, foi condenada a 18 anos de prisão e multa por liderar um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado de forma fraudulenta R$ 221 milhões em dois anos e enviado para o exterior outros de U$S 5,2 milhões por meio de 91 operações de câmbio irregulares.

Nelma foi namorada do doleiro Alberto Youssef, alvo maior da Lava Jato, e com ele manteve negócios no mercado paralelo do dólar. Na madrugada de 15 de março, ela foi flagrada embarcando com 200 mil euros dentro da calcinha para Milão, na Itália. Dois dias depois, a Lava Jato foi deflagrada pela Polícia Federal. A doleira foi condenada pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, participação em organização criminosa, corrupção ativa e operação irregular de instituição financeira.

“O emprego de esquemas sofisticados de evasão, não inerentes aos crimes, e acessíveis apenas a criminosos de grande sofisticação merece especial reprovação, devendo ser valoradas negativamente as circunstâncias dos crimes”, afirma o juiz Sergio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, em sua decisão. O magistrado afirmou ainda que “as provas colacionadas neste mesmo feito indicam, porém, que (Nelma) faz da prática de crimes financeiros o seu meio de vida”.

Veja também:

Doleira ‘Greta Garbo’ pagou R$ 40 mil a policial

A condenação de Nelma ocorreu em uma das 12 ações penais em tramitação na Justiça Federal do Paraná. Nesta ação, outros 8 investigados foram denunciados pela Procuradoria da República. Apenas o réu João Huang, que intermediava a abertura de contas do grupo em Hong Kong, está foragido, e por isso o juiz determinou o desmembramento da ação referente a ele. Todos os outros réus foram condenados.

Grupo. Apontada como braço direito de Nelma, Iara Galdino era a principal administradora das empresas de fachada do grupo e foi condenada a 11 anos e pagamento de multa. Além dela, a mãe de Nelma, Maria Dirce Penasso, que emprestou seu nome para a abertura de contas da empresa Il Solo Tuo na China, também utilizada pelo grupo, foi condenada a dois anos um mês e dez dias de prisão em regime aberto.

A conta em nome da mãe da doleira recebeu 16 remessas de dinheiro do Brasil oriundas da empresa Da Vinci, controlada por Nelma.   As remessas totalizaram U$S 841,6 mil e EU 139,4 mil. “A participação de Maria Dirce nos crimes foi de menor importância, não se envolvendo diretamente na operação da instituição financeira irregular”, afirma o magistrado na decisão.

O juiz federal Sérgio Moro decretou o confisco dos ativos dos condenados. Uma das acusações contra Nelma foi por corrupção ativa – ela corrompeu o gerente de uma agência do Banco do Brasil Rinaldo Gonçalves de Carvalho para viabilizar as operações financeiras ilegais.

Rinaldo recebeu R$ 4 mil do grupo liderado por Nelma e foi condenado por corrupção passiva a dois anos e oito meses de prisão que ele deverá cumprir em regime aberto e com prestação de serviços comunitários. “O empregado público corrompido deixou de cumprir com seu ofício, dando abrigo às operações financeiras criminosas na agência bancária na qual trabalhava”, afirma o magistrado na decisão.

A estrutura da organização desmontada pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, era mantida por quatro doleiros, entre eles Nelma Kodama.

Quando foi presa no Aeroporto Internacional de São Paulo com os euros na calcinha, Nelma alegou que o dinheiro era destinado à “aquisição de móveis, pois participaria de um encontro de empresários estrangeiros do ramo de decoração”.

Tendências: