Documento registra depósitos ‘picados’ de R$ 322,9 mil em conta de mulher de Vaccari

Documento registra depósitos ‘picados’ de R$ 322,9 mil em conta de mulher de Vaccari

Valores creditados para Giselda Rousie de Lima de forma fracionada podem ter como origem sua irmã Marice, presa pela Lava Jato por mais cinco dias, e ser artifício para evitar rastreamentos, suspeitam investigadores da Lava Jato

Redação

21 Abril 2015 | 18h44

Por Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Julia Affonso

Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato anexaram ao novo pedido de prisão da cunhada de João Vaccari Neto, Marice Corrêa de Lima, o registro dos depósitos “picados” que somaram R$ 322,9 mil feitos na conta da irmã e mulher do ex-tesoureiro do PT.

Os depósitos fracionados, no limite próximo de R$ 10 mil, sem identificação do depositante, na conta de Giselda Rousie de Lima são um dos elementos que levaram sua irmã Marice e o marido para a prisão.

O ex-tesoureiro petista está detido desde o dia 15, preventivamente. A cunhada, desde o dia 17, e teve ontem sua temporária de cinco dias renovada pelo juiz federal Sérgio Moro – que conduz os processos da Lava Jato.

Comparação de imagens de Marice Correa Lima com registro feito em banco/ Reprodução

Comparação de imagens de Marice Correa Lima com registro feito em banco/ Reprodução

“Tudo indica que Giselda recebe uma espécie de ‘mesada’ de fonte ilícita paga pela investigada Marice, sendo que os pagamentos continuam sendo feitos até março de 2015”, informa o Ministério Público Federal, em pedido acatado nesta terça-feira, 21, pela Justiça Federal.

Consta no documento ainda os valores de acima de R$ 10 mil depositados em dinheiro na conta da mulher de Vaccari entre 2008 e 2012 sem identificação de origem que totalizar outros R$ 260,5 mil. Os dados são da Informação nº 86/2015, da Procuradoria, anexado ao pedido.

A força-tarefa da Lava Jato suspeita que a cunhada do tesoureiro do PT “funcionava como uma auxiliar para operacionalizar a propina destina ao Partido dos Trabalhadores”. Os investigadores acreditam que a cunhada “recebia vantagens indevidas destinadas a Vaccari”.

Nesta terça-feira, ao determinar a nova prisão de Marice, a Justiça considerou o fato de que ela teria mentido sobre ser a origem de depósitos não identificados para a conta da irmã, ainda este ano, segundo aponta o MPF.

Imagens anexadas ao processo, das câmeras de bancos, mostram que a cunhada pode ter sido a origem desses depósitos e que eles teriam continuado até março.

Análise. Os analistas do Ministério Público verificaram operações de depósitos bancários ocorridas com “características de fracionamento” ou em valores próximos ao limite de identificação da operação pela instituição bancária – a Circular 3461/09, do Banco Central, estabelece que os bancos devem identificar transações realizadas com uma mesma pessoa que superem a quantia de R$ 10 mil.

“Em que pese a estruturação de depósitos não seja por si só ilícita, trata-se de
expediente comum na lavagem de capitais”, registrou o MPF.

Em 2008, os depósitos fracionados na conta da mulher do tesoureiro do PT bateram em R$ 16 mil. Já em 2011, saltaram para R$109,1 mil.Em 2014, ano que estourou a Operação Lava Jato, os ‘picados’ abasteceram em R$ 31,5 mil a conta de Giselda.

A Polícia Federal segue ainda a análise do material recolhido na casa de Marice no dia 15. Os investigadores receberam orientação para inspecionarem o apartamento 22 da Rua Penaforte Mendes, 157, bairro Cerqueira Cesar, em São Paulo,”tendo por objeto a coleta de provas relativa à prática dos crimes de corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e de falsidade, além dos crimes antecedentes à lavagem de dinheiro”.

depósitos picados para giselda

Trechos de documento com depósitos ‘picados’ para mulher de Vaccari, Giselda Corrêa de Lima / Reprodução

Trechos de documento com depósitos 'picados' para mulher de Vaccari, Giselda Corrêa de Lima / Reprodução

Trechos de documento com depósitos ‘picados’ para mulher de Vaccari, Giselda Corrêa de Lima / Reprodução

 

COM A PALAVRA, A DEFESA

O criminalista Cláudio Pimentel, que defende Marice Corrêa Lima, afirma que toda sua movimentação financeira está declarada no Imposto de Renda.

Ontem, o advogado afirmou que não entrar com pedido de habeas corpus nos tribunais superiores.

“Não há nenhuma razão para ela ficar presa. Ela jamais pensou em fugir. A demonstração inequívoca disso é que ela se apresentou. Afinal, quem quer fugir vai retornar ao Brasil, como ela fez espontaneamente?”