DJ de Araraquara diz ter prova no Telegram de que alertou amigo de riscos de invasão 

DJ de Araraquara diz ter prova no Telegram de que alertou amigo de riscos de invasão 

Segundo o advogado Ariovaldo Moreira, que defende Gustavo, o cliente teria uma conversa trocada com Walter no Telegram em que alertava o amigo: "Cuidado que você pode ter problema com isso".

Patrik Camporez e Breno Pires/BRASÍLIA

24 de julho de 2019 | 15h52

Foto: Dado Ruvic/Reuters

BRASÍLIA, 24/7/2019 – Um dos presos na operação da Polícia Federal que investiga a invasão do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do procurador da República Deltan Dallagnol, o DJ de Araraquara, Gustavo Elias Santos, disse nesta quarta-feira que tem provas de que teria alertado seu amigo, Walter Delgatti Neto, também preso ontem, para “parar de mexer com isso”, em referência à telefone de autoridades.

Segundo o advogado Ariovaldo Moreira, que defende Gustavo, o cliente teria uma conversa trocada com Walter no Telegram em que alertava o amigo: “Cuidado que você pode ter problema com isso”.

Segundo o advogado, se “abrirem o Telegram vão ver seu cliente falou (para o Walter): ‘para com isso que isso vai te dar problema'”.

Gustavo e sua esposa, Suellen, prestam depoimento na tarde desta quarta-feira na PF em  Brasília. “Ele vai contar o que aconteceu para a autoridade policial”, destacou o advogado, que acompanha o depoimento.

A advogada Mariani de Cassia Almas, que defende  Delgatti Neto, disse nesta quarta-feira (24) que desconhecia qualquer aptidão em seu cliente para crimes cibernéticos. “Se ele tinha esse talento, ele nunca demonstrou e eu desconhecia. Ele nunca teve nada parecido com isso. Fiquei até surpresa quando li o noticiário sobre essa investigação, mas até agora ele não me procurou para falar sobre esse fato novo.”

Tudo o que sabemos sobre:

TelegramSérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: