‘Dizer que a Lava Jato quebrou empresas é uma irresponsabilidade’, reage Deltan a Toffoli

‘Dizer que a Lava Jato quebrou empresas é uma irresponsabilidade’, reage Deltan a Toffoli

Procurador-chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná avalia que declaração do ministro presidente do Supremo em entrevista ao Estadão 'é, assim, fechar os olhos para a raiz do problema, a prática por muitos políticos e empresários de uma corrupção político-partidária sanguessuga, que drena a vida dos brasileiros'.

Fausto Macedo e Pepita Ortega

16 de dezembro de 2019 | 12h53

Deltan Dallagnol é procurador e coordenador da Operação Lava Jato. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná, disse nesta segunda, 16, que ‘é uma irresponsabilidade’ do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo, declarar que a Lava Jato destruiu empresas.

“Dizer que a Lava Jato quebrou empresas é uma irresponsabilidade”, tuitou Deltan, em reação à entrevista de Toffoli publicada no Estadão desta segunda, 16.

“É, assim, fechar os olhos para a raiz do problema, a prática por muitos políticos e empresários de uma corrupção político-partidária sanguessuga, que drena a vida dos brasileiros”, disse Deltan.

Na entrevista ao Estadão, Toffoli declarou que nos Estados Unidos isso não aconteceu. Empresários têm prisão perpétua decretada, mas suas companhias estão em atividade. O ministro cobrou, ainda, maior transparência do Ministério Público.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. Foto: Gabriela Biló / Estadão

“É fechar os olhos para a crise econômica relacionada a fatores que incluem incompetência, má gestão e corrupção”, tuitou Deltan.

Para o procurador, as declarações de Toffoli têm o mesmo sentido que….”É culpar pelo homicídio o policial porque ele descobriu o corpo da vítima, negligenciando o criminoso.”

“Os responsáveis são os criminosos. A Lava Jato aplicou a lei”, afirma o procurador.

O procurador destaca resultados da Lava Jato que, em quase seis anos de ação recuperou uma fortuna para o Tesouro. “É fechar os olhos para o fato de que a Lava Jato vem recuperando por meio dos acordos mais de R$ 14 bilhões para os cofres públicos, algo inédito na história.”

Ele avisa. “Seguiremos aplicando a lei, que ainda é muito inefetiva no Brasil. Nos Estados Unidos, a prisão acontece depois da primeira ou segunda instância. Sem efetividade da lei, não há rule of law ou estado de direito.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: