DIRETO DO PLENÁRIO VIRTUAL: alienação de ativos da Petrobrás, eforma do ensino médio e Conanda

DIRETO DO PLENÁRIO VIRTUAL: alienação de ativos da Petrobrás, eforma do ensino médio e Conanda

Redação

01 de outubro de 2020 | 14h00

O Plenário do Supremo Tribunal Federal continua, na sessão extraordinária desta quinta-feira, 1º, por meio de videoconferência, o julgamento de Reclamação ajuizada pelas Mesas do Congresso Nacional, do Senado Federal e da Câmara dos Deputados contra a venda de ativos de subsidiárias da Petrobras. A análise do caso teve início nesta quarta, 30, quando foram ouvidas as partes do processo e terceiros interessados. Nesta tarde, o caso será retomado com o voto do relator, ministro Edson Fachin.

No pedido apresentado ao STF, o Legislativo noticia suposto descumprimento da decisão da Corte na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5624 pelo governo federal na retomada da alienação de ativos da Refinaria do Paraná (Repar) e da Refinaria Landulpho Alves (RLAM). Na ADI, o Supremo decidiu que é necessária autorização legislativa e processo licitatório para alienação do controle acionário de empresas públicas e sociedades de economia mista.

As mesas das Casas legislativas sustentam que a constituição de subsidiárias a partir de desmembramentos da empresa-matriz, com a finalidade única de alienação do controle acionário, caracteriza desvio de finalidade e prática proibida e inconstitucional, quando motivada pelo interesse na alienação de ativos, com a possibilidade de conduzir ‘privatizações brancas’, sem o controle democrático do Congresso Nacional.

Reforma do ensino médio

Também está pauta a ação que questiona a Medida Provisória 746/2016, que institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, conhecida por Reforma do Ensino Médio. A MP alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/1996) e a Lei 11.494/2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Conanda

O Plenário poderá também decidir sobre referendo em medida cautelar na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 622, que tem por objeto o Decreto 10.003/2019 do presidente da República, que altera a composição e a forma de escolha dos membros do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda. A medida liminar deferida pelo ministro Luís Roberto Barroso restabeleceu os mandatos dos antigos conselheiros do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), cuja composição e forma de escolha dos seus membros foi alterada por decreto do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Confira, abaixo, todos os processos pautados para julgamento.

A sessão tem transmissão ao vivo pela TV Justiça, pela Rádio Justiça e pelo canal do STF no YouTube. As informações foram divulgadas pelo STF.

Reclamação (Rcl) 42576 – Medida Cautelar
Relator: ministro Edson Fachin
Mesas do Congresso Nacional, do Senado e da Câmara dos Deputados x Petrobras
Pedido inicialmente autuado a partir de petição conjunta nos autos da ADI 5624. As mesas das Casas legislativas sustentam que a constituição de subsidiárias, a partir de desmembramentos da empresa-matriz, com a finalidade única de alienação do controle acionário, caracteriza desvio de finalidade e prática proibida e inconstitucional, quando não for orientada por novas oportunidades de negócios, sim pelo interesse na alienação de ativos, com a possibilidade de conduzir a “privatizações brancas”, em burla ao controle democrático do Congresso Nacional.

Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5599
Relator: ministro Edson Fachin
PSOL e Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação x Presidente da República
Ação ajuizada pelo PSOL e CNTE para questionar a Medida Provisória nº 746/2016, que institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, conhecida por Reforma do Ensino Médio. A MP altera a Lei nº 9.394/1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494/2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Sustentam, na ação, que a MP não atende ao requisito constitucional da urgência, que ofende o princípio de proibição de retrocesso social e que a não obrigatoriedade de as escolas oferecerem todas as matérias afronta o princípio da isonomia e o acesso pleno ao direito à educação, além dos objetivos constitucionais de redução de desigualdade, entre outros.

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 622 – Referendo em medida cautelar
Relator: ministro Luís Roberto Barroso
Procuradora-geral da República x Presidente da República
ADPF ajuizada contra o Decreto presidencial n° 10.003/2019, que alterou o Decreto n° 9.579/2018 para instituir novas regras de representação e indicação dos membros que compõem o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente/Conanda. Na ação a procuradora alega que a mudança nas regras de composição e funcionamento do Conanda, têm como efeito prático a limitação da participação da sociedade civil na formulação das políticas para crianças e adolescentes. Sustenta haver lesão aos preceitos fundamentais constitucionais da igualdade, da segurança jurídica e da concreta participação social nas questões envolvendo a criança e o adolescente.

Recurso Extraordinário (RE) 695911 – Repercussão geral
Relator: ministro Dias Toffoli
Teresinha dos Santos x Associação de Proprietários Amigos da Porta do Sol (Apaps)
O objeto do recutrso versa sobre a cobrança, por parte de associação, de taxas de manutenção e conservação de loteamento imobiliário urbano de proprietário não-associado. O acordão recorrido entendeu que do trabalho da associação o resultado é o acréscimo patrimonial que beneficia os proprietários de lotes e que a não contribuição constitui enriquecimento ilícito.
A parte recorrente alega, em síntese não concordar com o pagamento de taxa de clube porque não utiliza o mesmo e não está obrigado a pagar sua manutenção e que não concorda também em pagar a taxa de segurança, pois trata-se de loteamento urbano com vias públicas e não um loteamento fechado ou um condomínio.
*Será julgada em conjunto a Ação Cautelar (AC) 3589, da mesma autora.

Recurso Extraordinário (RE) 633782 – Repercussão geral
Relator: ministro Luiz Fux
Ministério Público de MG x Empresa de Transportes e trânsito de Belo Horizonte S/A – BHTans
O recurso foi interposto contra decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais que assentou que a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), criada com o objetivo de gerenciar o trânsito local, tem competência para aplicar multa aos infratores de trânsito. Os ministros vão decidir se sociedade de economia mista pode aplicar multa de trânsito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.