Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Efigênia Vieira*

09 de agosto de 2020 | 04h30

Efigênia Vieira. FOTO: ADRIANA PORTO

Atuo há mais de vinte anos como headhunter e em projetos de desenvolvimento de lideranças e carreiras com executivos e profissionais especializados. Esta vivência me fascina pela oportunidade de interagir com jovens e experientes profissionais e suas aspirações.

Independente dos cargos obtidos e progressão de carreira, o propósito de atingir e manter um mindset dinâmico e em constante desenvolvimento é algo sempre presente em trajetórias de conquistas.

A busca é a construção de algo novo e melhor, ou seja, é o que nunca se imaginou ou mesmo pensou ser possível. Estar aberto, à frente na era da tecnologia sendo um eterno aprendiz.

Neste processo e em meio a tantas transformações, o foco também está dirigido para o bem-estar, o autocuidado e a intimidade do prosperar, mesmo entre erros e acertos que pertencem a natureza da inovação.

Quando existe espaço para conversar e falar coisas difíceis de expressar, torna-se mais fácil romper com padrões limitantes e ouvir com maior atenção, os pensamentos e justificativas. Tudo tende a fluir naturalmente.

Dessa forma, abre-se o espaço da liderança com o apoio de times fortes e ricos em outras competências. Assim, como o despertar maior para o comando da carreira e da vida. Tudo é puro investimento.

O crescimento sempre exige reinvenção, tempo, estudos e intercâmbio, mas, somente através de ações inteligentes e integradas, torna-se possível obter retornos notáveis e que superem significativamente os investimentos iniciais.

Boas práticas, como a criação de uma marca pessoal, devem estar aliadas com responsabilidades intransferíveis. Uma delas é a valorização da felicidade como fator indispensável para a saúde no trabalho. O discurso imperativo é o da alta produtividade e desenvolvimento de novas competências. O que é bastante válido, com certeza! Entretanto, é necessário se ter um protagonista em boa forma.

É preciso se cuidar para responder a um cenário de mudanças intensas e instabilidades, onde o estresse se apresenta como um companheiro implacável. Sim, existem adoecimentos como a conhecida e recorrente “depressão” e distúrbios psíquicos menos conhecidos como a “síndrome de burnout”.

Conheço o caso de um profissional sênior e diretor de operações bem-sucedido ( habituado a se desapegar de coisas conhecidas e aberto a abraçar o novo, mesmo durante a busca por sucesso na disputa pelo mercado ), apresentou comportamentos alterados sem uma clara percepção da evolução do desconforto e mal-estar causados pelo frenesi em que se encontrava. Um frenesi de altas proporções em seu ambiente psíquico.

No caso citado, o jovem transitou da dedicação intensificada e descaso com suas necessidades pessoais até sintomas como a negação de problemas e os colapsos físico e mental.

Você, bravo guerreiro, fique atento! Cultivar a serenidade e foco é essencial. Carreiras brilhantes demandam conhecimentos e habilidades deliciosas de aprender e incorporar.

Profissionais que se preparam para este grau de senioridade, devem cuidar e encarar suas carreiras como fator determinante para o êxito e o bem-estar. Com certeza, necessitam conhecer e valorizar as competências duráveis e que transcendem o modismo ou demandas de ciclos de transformações.

Também devem transitar com desenvoltura e a frente dos demais, munidos das competências regidas pela inteligência emocional, tais como a capacidade de desenvolver relacionamentos interpessoais caracterizados pela confiança e colaboração; a habilidade empática que possibilita a articulação de negociações sob a perspectiva e comportamento de uma outra pessoa; a sempre bem-vinda autoestima; e a tolerância ao estresse, que é avesso a flexibilidade e resiliência. Saiba mais sobre o “antifrágil”.

Os protagonistas na transformação digital devem possuir a inovação como princípio e o exercício do otimismo e da cautela caminhando juntos.

Senhores do aprendizado contínuo sabem que novas tecnologias, desafios desconhecidos e demandas ágeis, surgem de repente e podem provocar transformações digitais disruptivas que, com apenas um movimento, podem colocar em risco serviços, setores e empresas.

Quanto ao profissional mencionado anteriormente, após um período de afastamento do trabalho formal e adoção de uma temporada sabática, viveu um novo aprendizado, ou seja, compreendeu que é possível e indispensável cuidar intimamente de si e continuar o desenvolvimento de uma carreira brilhante. Aprendeu, sobretudo, a remar contra a corrente com equilíbrio e confiança interna.

Todos devemos entender que por mais que o estresse esteja presente, é preciso impedir que ele se torne familiar. É necessário manter a atenção em comportamentos novos e desagradáveis que podem se fazer presentes. Também é imprescindível nunca subestimar a falta de jeito que o desconforto traz, uma vez que pode ser a entrada de adoecimentos, como a ressaltada síndrome de burnout e do pânico.

Esclarecendo: a síndrome de burnout é um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes. Fases da síndrome: 1) dedicação intensificada; 2) descaso com as necessidades pessoais; 3) recalque de conflitos; 4) reinterpretação de valores; 5) negação de problemas; 6) recolhimento e aversão a reuniões; 7) despersonalização; 8) tristeza intensa; 9) colapso físico e mental; 10) estado de emergência.

Precisamos aprender que as vezes para respeitar certos limites é necessário fazer uma mudança de rota. Busque sempre a sua felicidade no trabalho e na construção de um percurso de carreira de valor. Boa jornada!

*Efigênia Vieira, headhunter e CEO da Upside Executive Search

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: