‘Desembargadores construíram cartel para dar decisão unânime’

‘Desembargadores construíram cartel para dar decisão unânime’

Em evento, no Diretório Nacional do PT, em São Paulo, ex-presidente Lula condenado a 12 anos e um mês de prisão, confirma pré-candidatura e desafia desembargadores do Tribunal da Lava Jato

Vera Rosa,Thaís Barcellos e André Ítalo Rocha

25 Janeiro 2018 | 15h21

Em reunião no Diretório Nacional do PT, nesta quinta-feira, 25, aonde afirmou que não irá respeitar a decisão do Tribunal da Lava Jato e anunciou sua pré-candidatura, o ex-presidente Lula disse que ‘não sofreu’ com a confirmação de sua condenação, por 3 a 0, e acusou os desembargadores de combinar votos. O petista teve sua pena aumentada para 12 anos e 1 mês nesta quarta-feira, 24, no processo que envolve o triplex no Condomínio Solaris.

“Desembargadores construíram cartel para dar decisão unânime”, afirmou o ex-presidente. “Somente ontem eu compreendi o que era um cartel. Podia mandar para o Cade”, completou.

Lula ainda disse que a ‘votação de ontem foi mais para valorizar categoria dos juízes’ e assumiu até tom messiânico. “Jesus Cristo foi condenado à morte sem dizer uma palavra e não tinha Lava Jato”.

Após sua condenação à Lava Jato, Lula ainda pode esgotar os recursos no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região. Antes mesmo do entendimento do Supremo Tribunal Federal, proferido em outubro de 2016, a Corte já executava penas a partir da última negativa em recursos de segunda instância.

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato