Deputado diz a Joesley que ‘a segurança de todos hoje é o foro’

Deputado diz a Joesley que ‘a segurança de todos hoje é o foro’

Áudio entregue pelo empresário da JBS à Procuradoria-Geral ainda no âmbito do acordo de delação premiada mostra preocupação de Gabriel Guimarães (PT/MG) com o avanço da Operação Lava Jato; gravação foi divulgada pelo O Antagonista e confirmada pela reportagem do Estadão

Fausto Macedo e Julia Affonso

13 de outubro de 2017 | 16h49

Joesley Batista em Brasília; empresário prestou esclarecimentos à Procuradoria-Geral da República nesta quinta, 7. FOTO DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Áudio entregue pelo empresário Joesley Batista, da JBS, à Procuradoria-Geral da República, ainda no âmbito do acordo de delação premiada que ele fechou – agora sob risco de rescisão – indica uma suposta preocupação do deputado Gabriel Guimarães (PT/MG) com o avanço da Operação Lava Jato e o conforto que o foro privilegiado dá aos políticos. “Sabe qual é a segurança de todos hoje? O foro (privilegiado)”, disse o parlamentar na gravação com Joesley divulgada pelo site O Antagonista e confirmada pela reportagem do Estadão.

Procuradoria denuncia Joesley e Wesley por manipulação do mercado

Sem vazamento, JBS teria perdido R$ 196 milhões com a compra de dólares, diz perícia

Joesley e Wesley surfaram na delação para fazer o que sempre fizeram: levar vantagem, diz procurador

Detalhes do extenso lote de áudios entregues por Joesley à Procuradoria para complementar o acordo já haviam sido revelados pela revista Veja, em setembro.

A delação de Joesley e de outros executivos do Grupo J&F mergulhou o governo Michel Temer na grande crise política.

O empresário está preso na carceragem da Polícia Federal. Ele é alvo de dois decretos de prisão preventiva – um do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, por violação do seu próprio acordo de colaboração; outro do juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, por uso de informações privilegiadas de sua delação para auferir ganhos milionários no mercado financeiro.

No bate papo com o petista, Joesley avalia que a saída de Renan Calheiros (PMDB/AL) da presidência do Senado, e com a saída de Geddel Vieira Lima do governo – ex-ministro do Governo Temer, o Congresso ‘ficou sem agenda’.

Guimarães responde que os políticos estão acomodados por causa da prerrogativa de foro e sugere algo na linha de um ‘Refis’ para ilícitos de caráter eleitoral.

“Eu tenho falado prá todo mundo. É uma espécie de Refis pro político, pro empresário. Ele admite o caixa 2, mas diz ‘não sou filho da puta, ladrão, recebi fora do script, mas não agreguei ao meu patrimônio, não comprei uma Ferrari. Em contrapartida, fica uma eleição sem poder se candidatar.”

O parlamentar faz uma projeção sobre o foro privilegiado, condição que põe deputados e senadores sob a tutela do Supremo Tribunal Federal. Para Guimarães, o foro ‘ou vai acabar no Supremo, ou acaba no final do ano, porque o político não se elege’.

Joesley faz uma reflexão. “O foro privilegiado é que está fodendo. Os políticos não reagem! Sabe o que mata a grama? É a sombra. Todo mundo com quem a gente conversa, fala que tem o foro e tal.”

COM A PALAVRA, O DEPUTADO GABRIEL GUIMARÃES (PT/MG)

A reportagem tentou localizar o deputado Gabriel Guimarães. O espaço está aberto para manifestação

Tudo o que sabemos sobre:

Joesley BatistaJBSoperação Lava Jato

Tendências: