Deputado Abelardo Camarinha condenado a seis anos

Desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, no entanto, substituíram a pena, em regime semiaberto, por prestação de serviços comunitários e multa de 100 salários mínimos; ele ficou inelegível por cinco anos

Luiz Vassallo

26 de abril de 2018 | 10h06

Por votação unânime, desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo condenaram o deputado estadual Abelardo Camarinha (PSB) a seis anos de reclusão em regime semiaberto. A pena, no entanto, foi substituída por prestação de serviços e multa de 100 salários mínimos. Os magistrados também determinaram a inabilitação, pelo prazo de 5 anos, para o exercício de função pública.

De acordo com as investigações, ele teria desviado, R$ 6,4 mil por meio a nomeação da funcionária Gláucea Helena Grava, à época em que foi prefeito de Marília, seu reduto eleitoral.

Segundo a denúncia, ela nunca prestou serviços como assistente técnica da Fazenda, mas trabalhava Camarinha no âmbito privado. Ele foi prefeito da cidade entre 1997 e 2004.

COM A PALAVRA, CAMARINHA

NOTA

Não houve corrupção tampouco desvio de dinheiro. Trata-se de uma ação prescrita de uma nomeação de uma funcionária que ficou somente 6 meses na Prefeitura há 14 anos atrás. O parlamentar e a própria funcionária não se conhecem, sendo que tal decisão será certamente revertida nos Tribunais superiores, pois houve exagero na dosimetria da pena.

Marília, 26 de abril de 2018.

Tudo o que sabemos sobre:

Abelardo Camarinha

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.