Deputada do ‘Nas Ruas’ também pede prisão para Lula por ‘risco à ordem pública’

Deputada do ‘Nas Ruas’ também pede prisão para Lula por ‘risco à ordem pública’

Carla Zambelli (PSL-SP), fundadora do movimento que pediu impeachment de Dilma em 2016, e Ubiratan Sanderson (PSL-RJ) protocolaram ofício à PGR defendendo prisão do petista; antes deles, senador Major Olímpio havia tomado iniciativa idêntica

Paulo Roberto Netto

12 de novembro de 2019 | 05h00

Os deputados federais Carla Zambelli (PSL-SP) e Ubiratan Sanderson (PSL-RS), da ala bolsonarista do partido do presidente, enviaram ofício ao procurador-geral da República Augusto Aras solicitando a prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, solto na última sexta-feira, 8. Segundo os parlamentares, o petista discursou ‘chamando a população a tomarem as ruas’ após ser posto em liberdade.

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Foto: Dida Sampaio / Estadão

No sábado, 9, Lula discursou no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo após ficar preso por 580 dias por condenação no caso triplex. O petista citou o Chile, que atravessa uma crise política iniciada após o presidente Sebástian Piñera anunciar um aumento das passagens de metrô em Santiago.

A onda de protesto cresceu e passou a cobrar o fim da desigualdade social e mudanças nos modelos liberais de previvência, saúde e educação do País. O Exército foi acionado após decreto de estado de emergência e até o momento vinte pessoas morreram nos confrontos.

“Nós vamos fazer muita luta. E não é um dia de luta, passar três meses e depois voltar não. É todo dia”, afirmou Lula, que disse que o Brasil precisa atacar, e não somente se defender. “Nós vimos o que está acontecendo no Chile. O Chile é o modelo de país que o Guedes quer fazer aqui”.

No entendimento dos bolsonaristas, a fala de Lula representa uma ‘ameaça à ordem pública’.

“As declarações do ex-presidente Lula, transmitidas ao vivo pelas maiores redes de televisão do Brasil, proferidas não só aos seus correligionários, mas para o país como um todo, tiveram como principal objetivo a subversão da ordem pública, a incitação da violência e a promoção da insurreição popular”, afirmam.

Zambelli é fundadora do movimento ‘Nas Ruas’ que, em 2016, defendeu o impeachment da então presidente Dilma. Quando se candidatou à Câmara, Zambelli se desligou do ‘Nas Ruas’.

Ela e Sanderson embasam o pedido sob o artigo 312 do Código de Processo Penal, que prevê a prisão preventiva de uma pessoa para garantir a ordem pública e/ou econômica ou assegurar a aplicação da lei penal. O instrumento foi utilizado pela Lava Jato para deter investigados antes mesmo da apresentação de denúncia formal. A prisão preventiva pode ser decretada a qualquer momento e independe de sentença condenatória.

Os bolsonaristas também acusam Lula de promover incitação pública e apologia ao crime, citando a Lei de Segurança Nacional. Segundo os parlamentares, Lula estaria ‘incitando a violência com intuito de promover desagregação, confusão e balbúrdia no seio da população brasileira’.

O pedido de prisão preventiva foi solicitado ao procurador-geral Augusto Aras. Se aceitar, Aras deverá elaborar um pedido à justiça para decretar a detenção do petista. A estratégia de Zambelli é a mesma do senador Major Olímpio, líder do PSL no Senado, que mais cedo encaminhou manifestação ao PGR solicitando a prisão preventiva do ex-presidente.

COM A PALAVRA, O EX-PRESIDENTE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
A reportagem entrou em contato com a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aguarda resposta. O espaço está aberto a manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.