Deputada do PSOL pede a Aras e a Alexandre que revelem se Carla Zambelli é investigada no inquérito das ‘fake news’

Deputada do PSOL pede a Aras e a Alexandre que revelem se Carla Zambelli é investigada no inquérito das ‘fake news’

Samia Bomfim protocolou petições nos gabinetes do procurador-geral e do ministro do Supremo em ofensiva para barrar eventual indicação de aliada de Bolsonaro para assumir Secretaria de Comunicação da Câmara

Paulo Roberto Netto

11 de fevereiro de 2021 | 18h56

Em ofensiva contra a indicação de Carla Zambelli (PSL-SP) para a Secretaria de Comunicação da Câmara, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) protocolou ofícios ao procurador-geral da República Augusto Aras e ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, solicitando que ambos declarem se a fiel escudeira do presidente Jair Bolsonaro é investigada no ‘inquérito das fake news’. Os documentos foram enviados nesta quinta, 11.

Documento


Documento

Zambelli prestou depoimento na investigação em junho do ano passado. Na ocasião, ela afirmou que não respondeu às perguntas da Polícia Federal e acusou o inquérito de ser inconstitucional.

“Não respondi nenhuma delas [perguntas], porque nenhuma delas era factual”, afirmou. Aberto em março de 2019, o inquérito apura esquema de difusão de ‘fake news’, ameaças e ofensas dirigidas a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e seus familiares. A investigação corre sob segredo de Justiça.

No ofício enviado a Aras e Moraes, Sâmia Bomfim destaca que Zambelli – ainda não formalmente indicada ao cargo – já atua como se estivesse no comando da Secretaria de Comunicação, declarando em entrevistas qual será o seu projeto uma vez que assumir o posto. Entre as atribuições do cargo estão gerenciar e definir a linha editorial da TV, Rádio e Agência Câmara.

“Seria temerário supor que uma pessoa investigada por integrar organização financiada para o fim de orquestrar a fabricação e divulgação, em grande volume, de notícias falsas (cujo teor é orientado para desprestigiar e desestabilizar um dos Poderes da União, em contundente atentado ao Estado Democrático de Direito,, constituinte de nossa República), possa, ao arrepio de tão relevante procedimento investigatório, ocupar a direção da SECOM”, afirmou Sâmia.

A deputada federal Carla Zambelli. Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

A deputada do SPOL afirma que Zambelli ‘passa muito ao largo de ser pessoa possuidora de ilibada reputação’ e não seria a indicação mais competente para a Secretaria de Comunicação da Câmara. Nos ofícios, Sâmia pede que Aras e Moraes tornem público a condição da parlamentar no inquérito e que oficiem isso ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Os ofícios de Sâmia se somam a outros pedidos movidos pela oposição contra Zambelli na comunicação da Câmara. Na quarta-feira, 3, os deputados Ivan Valente (PSOL-SP) e Talíria Petrone (PSOL-RJ) pediram ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que levante o sigilo de duas investigações que atingem as bolsonaristas: os inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos, que investiga a organização e o financiamento de manifestação contra as instituições e a democracia.

COM A PALAVRA, CARLA ZAMBELLI
Procurado pela reportagem, o gabinete da deputada Carla Zambelli não quis se manifestar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.