Depois de R$ 4,5 mi em diamantes e ouro de Cabral, Ministério da Justiça vai leiloar fazenda de operador do ex-governador

Depois de R$ 4,5 mi em diamantes e ouro de Cabral, Ministério da Justiça vai leiloar fazenda de operador do ex-governador

Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas vai alienar propriedade avaliada em R$ 2 milhões que pertencia a Carlos Miranda, apontado como operador do esquema de corrupção chefiado por Sérgio Cabral

Redação

31 de julho de 2020 | 12h48

Ministério da Justiça vai leiloar fazenda que pertencia a Carlos Miranda, apontado como operador no esquema de corrupção chefiado por Sérgio Cabral. Foto: Reprodução

Depois de arrecadar R$ 4,5 milhões com barras de ouro e diamantes que pertenciam ao ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, o Ministério da Justiça vai agora leiloar uma fazenda apreendida na Lava Jato que era de Carlos Miranda, apontado como operador do esquema de corrupção chefiado pelo ex-dirigente fluminense. A propriedade é avaliada em R$ 2 milhões.

A primeira abertura do pregão do imóvel, localizado em Paraíba do Sul, no Rio, será no dia 21 de agosto, com encerramento no dia 24. Já a segunda, será no dia 24 de agosto e o fechamento no dia 28. Os leilões serão administrados pela Brame Leilões.

A determinação para alienação do imóvel partiu do juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas. Trata-se da terceira tentativa de venda da propriedade, que já foi a leilão no ano passado, à época avaliada em R$ 3 milhões.

Por ter sido saqueada, a propriedade foi reavaliada. A Fazenda Três Irmãos tem 21,2 alqueires e conta com três casas (uma principal, uma de hóspedes e uma do administrador), piscina, sauna, churrasqueira, curral, capril, bodário, um alambique e um galpão.

Ministério da Justiça vai leiloar fazenda que pertencia a Carlos Miranda, apontado como operador no esquema de corrupção chefiado por Sérgio Cabral. Foto: Reprodução

Segundo o diretor de Gestão de Ativos da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Giovanni Magliano Júnior, a fazenda é o primeiro imóvel a ter uma determinação judicial de venda com apoio da Senad.

Os valores arrecadados com a venda dos bens são destinados ao Fundo Penitenciário Nacional (Funpen).

A Senad informou que desde novembro de 2019, já realizou 43 leilões com arrecadação de mais de R$ 17 milhões no arremate de 1.705 ativos em diferentes Estados: Acre, Amazonas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.

Ministério da Justiça vai leiloar fazenda que pertencia a Carlos Miranda, apontado como operador no esquema de corrupção chefiado por Sérgio Cabral. Foto: Reprodução

Diamantes e ouro de Cabral

Nesta quarta, 29, diamantes e barras de ouro que pertenciam a Sérgio Cabral, foram leiloados por R$ 4.599.317,60 milhões. Todas as 20 peças – 15 diamantes e cinco lingotes de ouro de 24 quilates confiscados em operações contra o político – estavam avaliadas inicialmente em R$ 3 milhões. Os lances iniciais variavam de R$ 52,6 mil a R$ 246,5 mil.

20 lotes de diamantes e barras de ouro do ex-governador Sérgio Cabral serão leiloadas nesta quarta, 29. Foto: Reprodução

13 condenações, 282 anos de prisão

Cabral está preso desde novembro de 2016 no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, quando foi detido pela Polícia Federal na Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato no Rio. O ex-governador é réu em mais de 30 ações penais e já foi condenado 13 vezes. A soma das penas contra ele já chegam a 282 anos de prisão.

Cabral em julho de 2017, após prestar depoimento no Rio. FOTO: FABIO MOTTA/ESTADÃO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.