‘Democracia exige integridade’, diz Moro sobre inclusão em lista de personalidades da década

‘Democracia exige integridade’, diz Moro sobre inclusão em lista de personalidades da década

Ministro da Justiça e Segurança Pública foi escolhido por repórteres do ‘Financial Times’ como uma das 50 pessoas que marcaram os últimos dez anos

Pedro Prata e Fausto Macedo

24 de dezembro de 2019 | 15h01

O ministro Sérgio Moro, Justiça e Segurança Pública, comemorou a sua inclusão na lista das 50 celebridades que marcaram a década, publicada pelo jornal britânico Financial Times nesta terça, 24. “O mérito é do movimento global anticorrupção que chegou à América Latina”, disse ao Estado.

“Democracia exige integridade”, falou o ministro que entrou para o seleto grupo, escolhido por repórteres da publicação, por ter ‘liderado uma investigação anticorrupção que abalou as estruturas políticas’ do continente.

Sérgio Moro: ‘Democracia exige integridade’. Foto: Amanda Perobelli/Reuters

O Financial Times diz que as investigações deflagradas contra as propinas da Odebrecht quando ele ainda era juiz federal levaram à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a 8 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá, e à denúncia do envolvimento de quatro ex-presidentes peruanos em esquemas ilegais.

O jornal lembra, ainda, a indicação política para ser ministro do governo do presidente Jair Bolsonaro. “Um movimento rumo à política que atraiu dúvidas sobre a sua independência enquanto juiz, mas que pode colocá-lo no caminho para disputar a presidência”, pontuou o Financial Times.

Moro rebate. “Agora, como ministro, sigo com o mesmo propósito de quando era juiz: consolidar o combate à corrupção e a luta contra o crime organizado.”

Tudo o que sabemos sobre:

Sérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: