Deltan da Lava Jato defende ‘um PGR testado e aprovado em sua história e seus planos’

Deltan da Lava Jato defende ‘um PGR testado e aprovado em sua história e seus planos’

Coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná prega respeito à lista tríplice para escolha do chefe da instituição, tradição ignorada pelo presidente Jair Bolsonaro ao indicar Augusto Aras para o cargo

Pedro Prata

06 de setembro de 2019 | 09h59

O coordenador da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, afirmou que a força-tarefa defende o respeito à lista tríplice para escolha do procurador-geral da República, pois ela seria uma forma de garantir um chefe ‘testado e aprovado’ para a instituição.

Deltan: ‘Nós nos unimos à ANPR no debate pelo melhor para o País e para a causa anticorrupção’. Foto: Felipe Rau/Estadão

“A força-tarefa Lava Jato no Paraná sempre defendeu a lista tríplice, por favorecer a escolha de um PGR testado e aprovado em sua história e seus planos, assim como a independência do Ministério Público”, escreveu o procurador da República em seu Twitter.

Deltan faz coro à Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR), que emitiu nota na noite desta quinta, 5, na qual se posiciona contrária à decisão de Jair Bolsonaro de nomear Augusto Aras como o futuro procurador-geral da República.

Segundo a entidade dos procuradores, a ‘ação interrompe um costume constitucional de quase duas décadas, seguido pelos outros 29 Ministérios Públicos do país’. ‘A escolha significa, para o Ministério Público Federal (MPF), um retrocesso institucional e democrático’. A ANPR convocou os procuradores para um protesto em reação à nomeação.

O presidente Jair Bolsonaro quebrou a tradição ao nomear Augusto Aras como o futuro procurador-geral da República. Ele não estava na lista tríplice. Foto: Isac Nóbrega/PR

Augusto Aras não constava da lista tríplice escolhida pela categoria para substituir Raquel Dodge, cujo mandato termina em 17 de setembro.

“Nós nos unimos à ANPR no debate pelo melhor para o País e para a causa anticorrupção”, disse o coordenador da Lava Jato no Twitter.

O futuro procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Outro integrante da Lava Jato

O procurador Roberson Pozzobon, outro integrante da Força Tarefa em Curitiba, defendeu a independência do procurador-geral e do Ministério Público.

“É o mínimo existencial de uma instituição que – sejamos realistas – quando bem exerce seus deveres constitucionais, acaba vez ou outra incomodando muitos poderosos”, escreveu em sua conta no Twitter. Ele foi compartilhado pelo coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.