Delegados e peritos da PF defendem urnas e contradizem alegação de Bolsonaro sobre ‘queijo suiço’

Delegados e peritos da PF defendem urnas e contradizem alegação de Bolsonaro sobre ‘queijo suiço’

Principais entidades de policiais federais divulgaram nesta terça, 19, nota pública em que rebatem o presidente e sua mais recente ofensiva contra o sistema eleitoral; 'nenhum indício de ilicitude foi comprovado nas análises técnicas'

Pepita Ortega

19 de julho de 2022 | 17h07

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: ADRIANO MACHADO/REUTERS

Delegados e peritos da Polícia Federal rebateram nesta terça-feira, 19, o presidente Jair Bolsonaro e sua mais recente ofensiva contra o sistema eleitoral. Segundo esses profissionais da PF, desde a redemocratização, em 1988, as eleições ‘ocorrem sem qualquer incidente que lance dúvidas sobre sua transparência e efetividade’. Os policiais ainda reiteram que as urnas eletrônicas ‘já foram objeto de diversas perícias e apurações por parte da PF e que nenhum indício de ilicitude foi comprovado nas análises técnicas’.

Em reunião com 60 embaixadores, na segunda, 18, Bolsonaro atribuiu à PF a declaração de que o Tribunal Superior Eleitoral ‘é um queijo suíço, como uma peneira’. A alegação foi denunciada e rebatida já nesta segunda-feira pela corte eleitoral. “A Justiça Eleitoral não tem conhecimento de tal afirmação feita pela Polícia Federal”, afirmou a corte ao reagir às falas do presidente.

A nota que contradiz Bolsonaro é subscrita por três das principais entidades de delegados e peritos da PF – a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) e a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal.

A PF não se manifestou oficialmente. Procurada pela reportagem do Estadão ainda na segunda, 18, a instituição não se pronunciou sobre o ‘queijo suíço’.

As entidades policiais, por seu lado, ressaltaram que a corporação participa de testes de segurança realizados pelo TSE. “Até o momento não foi apresentada qualquer evidência de fraudes em eleições brasileiras”, afirmam.

Delegados e peritos enfatizaram a Bolsonaro. “Acatar a legislação eleitoral vigente e respeitar a Constituição, bem como as decisões democráticas, é imprescindível a todo e qualquer representante eleito ou postulante a cargo eletivo.”

Leia a íntegra da nota divulgada por delegados e peritos

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) e a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (FENADEPOL) manifestam total confiança no sistema eleitoral brasileiro e nas urnas eletrônicas. A Polícia Federal é uma das instituições de Estado que tem por atribuição garantir a lisura e segurança das eleições, que desde a redemocratização ocorrem sem qualquer incidente que lance dúvidas sobre sua transparência e efetividade.

É importante reiterar que as urnas eletrônicas e o sistema eletrônico de votação já foram objeto de diversas perícias e apurações por parte da PF e que nenhum indício de ilicitude foi comprovado nas análises técnicas.

A Polícia Federal, assim como diversos outras instituições renomadas, tem participado de testes públicos de segurança promovidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e abertos a qualquer cidadão, cujo objetivo é buscar o contínuo aperfeiçoamento das urnas eletrônicas, sendo que até o momento não foi apresentada qualquer evidência de fraudes em eleições brasileiras.

Acatar a legislação eleitoral vigente e respeitar a constituição, bem como as decisões democráticas é imprescindível a todo e qualquer representante eleito ou postulante a cargo eletivo.

As entidades representativas que subscrevem esta nota têm total confiança de que, neste ano, o povo brasileiro escolherá seus representantes de forma transparente e republicana como sempre fez.

Brasília, 19 de julho de 2022

Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF)
Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF)
Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (FENADEPOL)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.