Delatora afirma ter recebido R$ 5 mil mensais de Robinson Faria em troca de silêncio

Rita das Mercês, que foi procuradora da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, foi filmada em ação controlada recebendo valores de Adelson Freitas, assessor do governador; imagens foram exibidas no programa 'Fantástico', da Rede Globo

Roberta Pennafort/RIO

11 Março 2018 | 23h56

Investigado pelos crimes de peculato, usura, organização criminosa e lavagem de dinheiro, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), teria pago R$ 5 mil por mês ao filho de uma colaboradora, por dois anos, em troca de seu silêncio sobre desvios na Assembleia Legislativa do Estado, mostrou o “Fantástico” deste domingo, 11.

+ Governador Robinson embolsava R$ 100 mil mensais, diz delatora

A então aliada, hoje delatora do esquema de corrupção atribuído ao atual governador, é Rita das Mercês, ex-procuradora-geral da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. A informação sobre a mesada já havia sido divulgada ano passado, mas a reportagem do “Fantástico” veiculou imagens que seriam do momento dos pagamentos.

Já denunciado pelo crime de obstrução à Justiça, Faria fez os repasses a Rita por meio de um assessor, Adelson Freitas dos Reis, segundo mostram as investigações do Ministério Público Federal. O destinatário era Gustavo Villarroel, filho da ex-procuradora.

Rita foi denunciada na Operação Dama das Espadas, de maio de 2017, que investigou a existência de servidores-fantasma na Assembleia. Ela então virou delatora e implicou o atual governador.

Faria foi presidente da Assembleia entre 2003 e 2010. Rita delatou ao MPF um esquema de corrupção que rendeu R$ 100 mil por mês a Faria a partir de 2006. Era o somatório de salários pagos a funcionários inexistentes desde 2006. Ela afirmou que os pagamentos a seu filho perduraram de 2015 a 2017. Seria uma forma de Faria agradá-la, para que ela não o denunciasse.

O governador foi alvo de operação da Polícia Federal que investigou os crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça em agosto de 2017. Ouvida pelo “Fantástico”, a defesa do governador negou participação em esquemas ilícitos e também que ele tenha relações com Rita.