Delator diz que executivo da Odebrecht indicou ‘operador de contas’ no exterior

Delator diz que executivo da Odebrecht indicou ‘operador de contas’ no exterior

Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobrás, citou Rogério Araújo, ligado à maior empreiteira do País, preso na Erga Omnes em junho

Redação

23 de setembro de 2015 | 14h30

Registro de Freiburghaus na Interpol. Foto: Reprodução

Freiburghaus chegou a ter o nome colocado na difusão vermelha da Interpol. Foto: Reprodução

Atualizada às 17h36

Por Mateus Coutinho, Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

O ex-gerente da área Internacional da Petrobrás Eduardo Musa, novo delator da Operação Lava Jato, disse ao Ministério Público Federal que ‘por volta de 2008/2009’ conheceu o doleiro Bernardo Freiburghaus, apontado como operador de propinas da empreiteira Odebrecht no exterior. Ele disse que ‘acredita ter sido apresentado a Bernardo por Rogério Araújo, da Odebrecht’.

Araújo, ex-diretor da empreiteira, está preso em Curitiba desde 19 de junho, alvo da Operação Erge Omnes, a etapa da missão Lava Jato que alcançou a cúpula da maior empreiteira do País, inclusive seu presidente, Marcelo Bahia Odebrecht.

Lava Jato vê elo de telefonemas de ex-diretor da Odebrecht e propinas na Suíça

Freiburghaus é suíço e, segundo os investigadores, fugiu para seu País quando seu nome foi mencionado na operação. Antes de sair do Brasil, ele mantinha no Leblon, no Rio, a agência Diagonal, onde atendia a clientela interessada em remessas de valores para o exterior, segundo a Lava Jato.

“Alguém havia falado para o declarante que Rogério Araújo conhecia um bom operador de contas no exterior e este indicou Bernardo”, disse Musa, conforme seu termo de declaração número 4 perante a força-tarefa da Operação Lava Jato que versa especificamente sobre contas no exterior.

Qualificação do executivo Rogério Araújo, da Odebrecht, nos autos da Lava Jato / Foto: Reprodução

Qualificação do executivo Rogério Araújo, da Odebrecht, nos autos da Lava Jato / Foto: Reprodução

Ele disse que foi ao escritório da Diagonal no Leblon, sede da agência de Freiburghaus. “Então o declarante resolveu abrir uma conta no HSBC na Suíça por volta de 2009 por indicação de Bernardo; quem, em 2010, também por indicação de Bernardo, abriu uma conta no Banco Julius Bar na Suíça.”

Ex-gerente da área Internacional da Petrobrás admite propina em Pasadena

Novo delator envolve empresa de Eike em esquema de propinas na Petrobrás

Eduardo Musa relatou que ‘toda vez que abria uma nova conta transferia todos os recursos das contas antigas, salvo o das contas do HSBC, que foram transferidos para o Banco PICTET’. Os investigadores destacam que a estratégia de migrar valores de conta em conta é muito usada nos esquemas de corrupção para dificultar o rastreamento dos órgãos de fiscalização.

freiburghaus

Musa afirma que a conta no Julius Bar ‘tinha por objetivo receber propina da Schahin e da Vantage’. Ele contou que em 2012 a conta do Julius Bar foi fechada, ‘migrando os valores para o banco Cramer, por sugestão de Pierino, gerente do banco Cramer, que esporadicamente vinha ao Brasil’.

Eduardo Cunha dava a palavra final na diretoria Internacional, diz ex-gerente da Petrobrás

Segundo o ex-gerente da Petrobrás, Bernardo Freiburghaus continuou gerenciando a conta no banco Cramer. “Que, atualmente, o declarante tem dinheiro no Cramer, offshore Nebraska, tendo aproximadamente US$ 2,5 milhões, e no banco PICTET, numa offshore que não se lembra o nome e nem o saldo, mas está buscando informações e se compromete a entregá-las o mais breve possível.”

Admitiu que recebeu recursos no exterior de ‘serviços privados’, segundo ele, prestados na época em que trabalhava na OSX. “Que recebeu comissões da SBM, Julio Faermann, Zwi, estaleiro Keppel Fells.”

Musa narrou, ainda, que quando necessitava internalizar recursos em reais, por indicação de Bernardo Freiburghaus procurava o doleiro Miguel, na Ad Valor, “uma espécie de escritório de negócios’ localizado na Rua do Carmo, Centro do Rio”. “Os contatos com Miguel, normalmente, eram via Skype”, disse o ex-gerente. “Miguel mantinha vários negócios com Bernardo.”

Musa foi ouvido pelos procuradores da República Diogo Castor de Mattos, Orlando Martello e Laura Tessler. Ele disse que ‘para o recebimento das vantagens indevidas dos contratos da área Internacional foi orientado por Luís Moreira a abrir contas no exterior, por volta de 2006’.

Segundo o ex-gerente da Petrobrás, ‘Moreira chegou a oferecer os serviços de um doleiro uruguaio que gerenciava as contas dele’. Musa disse que ‘optou por abrir contas na Suíça, utilizando-se dos serviços do Banco Credit Suísse porque era o mesmo esquema utilizado pelo seu amigo Abdala, outro funcionário da Petrobrás, já falecido, que recebia propinas por intermédio de contas no Credit Suísse’.

O ex-gerente esclareceu que foi ao escritório do banco suíço no Brasil, ‘então situado na Avenida Rio Branco, Centro do Rio de Janeiro, onde foi atendido pelo gerente IENS, indicado por Abdala, que cuiidou de toda a parte de abertura da offshore no Panamá e abertura da conta da conte corrente na Suíça’.

A empreiteira Schahin, por meio de seu advogado, o criminalista Guilherme San Juan, disse que não vai se manifestar.

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT

Rogerio Araujo é cliente de Bernardo Freiburghaus desde 2009. Investe em fundo de investimento da BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A, que tem como agente a Diagonal Investimentos, empresa de Bernardo. Os investimentos foram registrados desde então em todas as suas declarações de imposto de renda.

Tudo o que sabemos sobre:

Odebrechtoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.