Delator descreve ‘salinha’ onde se reuniu com Temer

Delator descreve ‘salinha’ onde se reuniu com Temer

Em depoimento gravado na Procuradoria, ex-presidente da Transpetro disse que levantou R$ 1,5 milhão em propinas, com conhecimento do presidente em exercício, para destinar ao comitê do peemedebista em 2012

Julia Affonso, Isadora Peron, Gustavo Aguiar, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

17 de junho de 2016 | 05h00

Michel Temer (à esq.) e Gabriel Chalita. Foto: Ernesto Rodrigues/AE

Michel Temer (à esq.) e Gabriel Chalita. Foto: Ernesto Rodrigues/AE

No depoimento gravado em áudio e vídeo à Procuradoria-Geral da República, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator bomba da Lava Jato, relatou detalhes do encontro que afirma ter tido, em setembro de 2012, com o hoje presidente em exercício Michel Temer (PMDB), na Base Aérea de Brasília. O delator afirma que pagou R$ 1,5 milhão, em propina, para a campanha de Gabriel Chalita, candidato apoiado por Temer à Prefeitura de São Paulo, naquele ano.

O RELATO DE SÉRGIO MACHADO SOBRE O ENCONTRO COM MICHEL TEMER

Machado contou que o senador Valdir Raupp (PMDB-RR), também em 2012, o procurou ‘dizendo que o candidato (Chalita) do vice-presidente Michel Temer estava em dificuldades financeiras’. Raupp perguntou a Machado, então presidente da Transpetro, se ele poderia ajudar.

“Eu liguei pro vice Michel Temer e marquei com ele no aeroporto militar de Brasília, na sala vizinha à sala da Presidência. Em setembro, num início de noite”, relatou.

“Ele chegando lá, conversei com ele. Ele falou da dificuldade que estava tendo acerca da campanha do Chalita. Eu disse que podia ajudá-lo em R$ 1,5 milhão, mas que depois eu informaria a ele a empresa. Telefonei depois a ele depois, informando que essa doação seria feita pelo Diretório Nacional através da empresa Queiroz Galvão.”

O delator foi questionado pelos procuradores da força-tarefa da Lava Jato sobre o local onde teria se encontrado com Michel Temer.

“Nós chegamos lá e fomos para uma salinha pequena onde conversamos durante 15 a 20 minutos. Você tem a sala de Presidência do lado, você tem outra sala onde embarcam as autoridades. Nessa sala onde embarcam autoridades tem uma salinha, onde eu fiquei lá com ele”, disse.

Um dia após ter o nome citado pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, o presidente em exercício, Michel Temer, convocou de última hora uma declaração à imprensa para contestar as informações do delator. Temer chamou a manifestação de Machado de “irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa”. “Não deixarei passar em branco essas acusações levianas”, afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:

Michel Temeroperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: