Delator da Zelotes diz que ganhava propina para ajudar conselheiro do ‘Tribunal da Receita’

Delator da Zelotes diz que ganhava propina para ajudar conselheiro do ‘Tribunal da Receita’

Paulo Roberto Cortez, ex-auditor, primeiro a fechar acordo de colaboração nessa operação, revelou que recebia R$ 10 mil todo mês e que votos eram 'encomendados' por empresas que deviam fortunas ao Fisco; a informação foi dada pelo Bom Dia Brasil, da TV Globo, e confirmada pelo Estadão

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

11 Agosto 2017 | 16h00

O ex-auditor Paulo Roberto Cortez fechou o primeiro acordo de delação premiada no âmbito da Operação Zelotes e revelou aos investigadores como funcionava o esquema de corrupção no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), o ‘Tribunal da Receita’. Cortez detalhou que votos de conselheiros eram ‘encomendados’ por empresas que deviam fortunas ao Fisco e que funcionários do setor eram remunerados ‘por fora’ em troca de informações sigilosas dos processos.

OUTRAS DO BLOG: + O jatinho de excelência dos sonhos de Pezão

Lava Jato pede a Moro multa ao BB por atraso na entrega de dados bancários de Bendine

Rita Lee terá de indenizar PM ofendido durante show

Salários acima do teto são ‘fraude’, diz Barroso

Senador diz à polícia que hackers invadiram seu Twitter e curtiram fotos de mulheres nuas

A delação do ex-auditor, homologada no dia 7 pelo juiz Vallisney Oliveira, da 10.ª Vara da Justiça Federal em Brasília, foi revelada pela repórter Camila Bomfim, no Bom Dia Brasil, da TV Globo, e confirmada pelo Estadão.

O Itaú-Unibanco, que adquiriu operações do Bank Boston, esclareceu ‘que não é parte do processo’.”O Itaú não tem e não teve qualquer ingerência na condução de tais processos nem tampouco qualquer benefício das respectivas decisões. O Itaú esclarece, ainda, que nenhum dos denunciados foi funcionário ou diretor desta instituição.”


Cortez, o delator, que foi conselheiro do Carf até 2007, afirmou, ainda, como o Bank Boston se livrou de multa milionária – o tribunal administrativo julga recursos de empresas e bancos contra autuações da Receita.

Ele disse que em 2012 recebeu do então conselheiro Valmir Sandri um voto para o caso do Boston e ‘a orientação de adaptar o texto aos padrões do conselho’. Sandri nega enfaticamente envolvimento com o esquema instalado no Carf.

O delator contou que, por meio de dois recursos ao colegiado, o Bank Boston conseguiu reduzir multa de R$ 600 milhões para uma quantia inferior a R$ 100 milhões.

Cortez confessou que ganhava R$ 10 mil todo mês em dinheiro vivo para orientar um outro ex-conselheiro, José Ricardo da Silva, que seria também dono de uma ‘consultoria’ que atuava em casos submetidos ao colegiado. O delator disse que o ex-conselheiro ‘não sabia fazer’ o trabalho no Carf.

“Na área de Imposto de Renda, ele (Ricardo) não tinha conhecimento, tampouco em contabilidade. Então, antes de cada sessão, quando eu trabalhava com ele, eu fazia as devidas explicações, repassava para ele o material e fazia as explicações de cada matéria a ser tratada em cada julgamento”, afirmou Cortez.

COM A PALAVRA, O ITAÚ-UNIBANCO

“O Itaú Unibanco esclarece que não é parte do processo e não teve acesso à decisão mencionada. O Itaú reafirma que, em 2006, adquiriu as operações do BankBoston no Brasil, sendo que o contrato de aquisição não abrangeu a transferência dos processos tributários do BankBoston, que continuaram sob inteira responsabilidade do vendedor, o Bank of America. O Itaú não tem e não teve qualquer ingerência na condução de tais processos nem tampouco qualquer benefício das respectivas decisões. O Itaú esclarece, ainda, que nenhum dos denunciados foi funcionário ou diretor desta instituição.”

COM A PALAVRA, O BANK OF AMERICA

A assessoria de imprensa do Bank Of America afirmou que a instituição financeira não irá se manifestar.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO MARLUS ARNS DE OLIVEIRA

“Com relação à menção de José Ricardo Silva na colaboração premiada da operação Zelotes, anunciada há pouco pelo MPF/DF, a defesa informa que vai pedir acesso ao teor do acordo para depois se manifestar.”

Mais conteúdo sobre:

Operação Zelotes