Delator cita propina a Cunha em 12 operações do FI-FGTS; comissão era negociada na residência oficial

Delator cita propina a Cunha em 12 operações do FI-FGTS; comissão era negociada na residência oficial

Em depoimentos prestados à Procuradoria-Geral da República (PGR), ex-vice da Caixa Fábio Cleto contou que presidente afastado da Câmara cobrava comissões variáveis, de 0,3%, 0,5% ou até mais de 1% dos repasses feitos pelo fundo

Fábio Fabrini e Fabio Serapião, de Brasília

01 de julho de 2016 | 07h13

Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

O ex-vice presidente da Caixa Fábio Cleto relatou em delação premiada que o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebeu propinas em 12 operações de grupos empresariais que obtiveram aportes milionários do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS). Em depoimentos prestados à Procuradoria-Geral da República (PGR), ele contou que Cunha cobrava comissões variáveis, de 0,3%, 0,5% ou até mais de 1% dos repasses feitos pelo fundo, conforme fonte com acesso às investigações relatou ao Estado.

Cleto foi vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa entre 2011 e dezembro do ano passado, indicado ao cargo por Cunha. Ele integrava também o Comitê de Investimento do FI-FGTS, colegiado que aprova os repasses de recursos em empresas. Aos procuradores da Operação Lava Jato, o delator contou que tinha reuniões semanais com o peemedebista, em Brasília, para informar de forma pormenorizada quais grupos buscavam apoio do banco público e definir quais seriam os alvos do achaque.

Conforme o relato aos investigadores, esses encontros eram todas as terças-feiras, por volta das 7h30, primeiro no apartamento funcional do deputado. Depois que ele assumiu a Presidência da Câmara, teriam passado a ocorrer na residência oficial da Casa, no Lago Sul. Para confirmar os encontros, ele indicou à PGR o nome do motorista da Caixa que o levava. Também entregou cópias de seus votos no comitê do FI-FGTS e uma planilha com a “prestação de contas” do esquema, produzida pelo operador do mercado financeiro Lúcio Bolonha Funaro, preso nesta sexta-feira.

[veja_tambem]

Cleto explicou que, ao tomar conhecimento das informações, Cunha apontava quais aportes lhe interessavam e pedia que o vice-presidente da Caixa trabalhasse para viabilizar a aprovação. Nos demais casos, a ordem seria para “melar” as operações.

O vice-presidente disse que não cobrava pessoalmente propina das empresas. A tarefa caberia ao próprio Cunha ou a Funaro, que o teria apresentado ao peemedebista. Do valor supostamente pago por cada empresa, o deputado ficaria com 80%. Cleto admitiu que recebia uma parte menor, cujo valor era sempre estipulado pelo deputado. O dinheiro, segundo ele, era sempre depositado pela Carioca Engenharia numa conta na Suíça.

Operações. Uma das propinas relatadas por Cleto refere-se à captação de recursos feita em 2012 pela Eldorado Brasil, empresa do grupo J&F, que também controla a Friboi. O valor pleiteado inicialmente foi de R$ 1,8 bilhão para obras numa fábrica em Três Lagoas (MT), mas acabou reduzido para R$ 940 milhões. Nesse caso, Cleto disse acreditar que Cunha tenha recebido valor superior a 1% como comissão. Ele afirmou que sua parte foi de R$ 940 mil.

O delator contou que a negociação do aporte foi feita com o controlador da J&F, Joesley Batista, supostamente apresentado a ele por Funaro num jantar na casa do operador financeiro.

Cleto afirmou ainda ter trabalhado para viabilizar participação acionária do FI-FGTS na Brado Logística, grande transportadora de contêineres que tem a América Latina Logística (ALL) como sócia. O projeto, de R$ 400 milhões, foi aprovado em 2013 com aval de Cunha. O vice-presidente da Caixa disse ter sido informado de que a propina para o deputado, nesse caso, foi de 0,5% (R$ 2 milhões). O delator reconheceu aos investigadores ter ficado com R$ 80 mil.

Outro aporte, de R$ 386,7 milhões, teria envolvido uma comissão de 0,3% a Cunha ou R$ 1,16 milhão. Trata-se de operação negociada pelo FI-FGTS, em 2012, com a empresa Metrô Rio, da Invepar, que tem participação da OAS. Cleto relatou que o deputado lhe pediu para ajudar nessa operação e relatou aos investigadores o “ótimo” relacionamento dele com o dono da OAS, Leo Pinheiro, já condenado por envolvimento nos esquemas de corrupção da Lava Jato.

O presidente afastado da Câmara também teria obtido comissão de 1% pela emissão de R$ 250 milhões em debêntures pelo FI-FGTS, pleiteada pela OAS para obras no Corredor Raposo Tavares, em São Paulo, e na Concessionária Rota do Atlântico, em Pernambuco. A comissão corresponderia a uma propina de R$ 2,5 milhões. Já Cleto teria ficado com R$ 100 mil.

Cleto lembrou na delação que pediu para ‘ajudar’ nessa operação. Outro caso relatado foi o repasse de R$ 90,5 milhões para a Empresa de Saneamento de Tocantins (Saneatins), controlada pela Odebrecht Ambiental. A operação foi aprovada setembro de 2011. Cleto afirmou que Cunha pediu seu apoio para aprovar operação para que o FI-FGTS se tornasse, com o investimento, acionista da empresa. O ex-vice-presidente da Caixa contou que Cunha lhe disse ter ficado também com 1% do valor, o que equivale a R$ 905 mil. O delator disse ter embolsado R$ 36 mil.

COM A PALAVRA, EDUARDO CUNHA:

“Desconheço o conteúdo da delação, por isso não posso comentar detalhes. Reitero que o cidadão delator foi indicado para cargo na Caixa, pela bancada do PMDB/RJ, com meu apoio, sem que isso signifique concordar com qualquer prática irregular. Desminto, como aliás já desmenti, qualquer recebimento de vantagem indevida. Se ele cometeu irregularidades, que responda por elas. Desafio qualquer um a provar a veracidade dessas delações como também qualquer vinculação, de qualquer natureza, com as contas mencionadas por esses delatores.”

COM A PALAVRA, DANIEL GERBER, ADVOGADO DE LÚCIO FUNARO:

“Ainda não tivemos acesso aos autos. Estamos requerendo o ingresso nos autos. A partir de segunda-feira, tomaremos as medidas cabíveis. Desde já, temos ciência da absoluta ciência de Funaro. Quanto a eventual delação de Funaro, está descartada. Não há o que ser delatado.”

 COM A PALAVRA, A ELDORADO:

“A Eldorado confirma que a Polícia Federal realizou busca e apreensão em suas dependências em São Paulo. A companhia desconhece as razões e o objetivo dessa ação e prestou todas as informações solicitadas. A Eldorado sempre atuou de forma transparente e todas as suas atividades são realizadas dentro da legalidade. A companhia se mantém à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais.”

COM A PALAVRA, A BRADO LOGÍSTICA:

“Os fatos levantados pela reportagem são anteriores à mudança de controle e de gestão da companhia, sendo que a nova gestão está à frente da Brado há apenas 10 meses. Quando a atual gestão assumiu a empresa, achou por bem instaurar uma auditoria interna para avaliar o conjunto de contratos da empresa, a qual encontra-se ainda em curso. A Brado esclarece ainda que está à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.”

COM A PALAVRA, A ALL:

“As informações levantadas pela reportagem se referem a período anterior à mudança de controle da companhia e antes do início da atual gestão. A empresa tomou conhecimento dos fatos por intermédio da reportagem e vai implementar procedimento de apuração interna. A ALL está à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.”

COM A PALAVRA, A CARIOCA ENGENHARIA:

“A empresa está colaborando com as autoridades e não vai se pronunciar sobre fatos específicos.”

COM A PALAVRA, A INVEPAR

A Invepar informa que em 31 de maio de 2012 contratou financiamento junto ao FI-FGTS para a Lamsa e o MetrôRio, no valor de R$ 386,7 milhões. Deste total, R$ 232,5 milhões foram destinados ao projeto de melhora da fluidez da Linha Amarela no Rio de Janeiro, com investimentos nas vias de acesso (Avenida Ayrton Senna, trechos da Avenida Brasil, entre outras), construção de viadutos como o da Abolição e urbanização de comunidades no entorno da via. O restante do financiamento, R$ 154,2 milhões, foi destinado à conclusão da estação Uruguai do MetrôRio e outras melhorias. A administração da companhia desconhece qualquer irregularidade na operação. A Invepar esclarece, ainda, que não possui nenhum financiamento com o FI-FGTS nas concessionárias Rota do Atlântico e Auto Raposo Tavares (CART).

Estado procurou os demais citados na delação, mas ainda não recebeu resposta

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo Cunhaoperação Lava Jato