Delator cita ‘pressão horrorosa’ de Giles, assessor de Dilma, por doações

Delator cita ‘pressão horrorosa’ de Giles, assessor de Dilma, por doações

Ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo detalhou pressão que sofreu da campanha petista e também pedido de doação de Oswaldo Borges, ex-presidente da Codemig apontado como tesoureiro informal de Aécio, por doação

Redação

08 de outubro de 2016 | 04h50

Otávio Marques de Azevedo foi preso em 19 de junho de 2015. Foto: Reprodução

Otávio Marques de Azevedo foi preso em 19 de junho de 2015. Foto: Reprodução

Ao Tribunal Superior Eleitoral, o executivo e delator Otávio Azevedo detalhou os esquemas de propina que sua empresa participou nos governos do PT e que abasteceram também o PMDB nas obras de Belo Monte e disse que parte das doações para a chapa Dilma-Temer em 2014 estavam relacionadas ao acerto de propinas. O executivo também comentou sobre as doações para o então candidato do PSDB Aécio Neves., confira abaixo