Delator afirma que Eliseu Padilha pegou R$ 10 milhões

Delator afirma que Eliseu Padilha pegou R$ 10 milhões

José de Carvalho Filho, ex-diretor da Odebrecht, relatou pagamentos a ministro-chefe da Casa Civil, entre os anos de 1997 e 2014

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Vitor Tavares, Fábio Fabrini e Beatriz Bulla

12 de abril de 2017 | 21h48

Eliseu Padilha. Foto: Andre Dusek/Estadao

Eliseu Padilha. Foto: Andre Dusek/Estadao

O ex-diretor da Odebrecht, José de Carvalho Filho, um dos delatores da empreiteira na Operação Lava Jato, detalhou pagamentos realizados supostamente a pedido do ministro-chefe da Casa Civil do governo Michel Temer, Eliseu Padilha (PMDB), entre 1997 e 2014, em um total de R$ 10 milhões. Carvalho apontou datas e locais de entrega de valores. Os repasses teriam sido feitos sob os codinomes ‘Angorá’ e ‘Primo’.

A delação implica Padilha no recebimento de propina desde quando ele era ministro dos Transportes, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Carvalho narra pelo menos três ocasiões em que o ministro do governo Temer teria recebido dinheiro da Odebrecht, uma em 2000 e duas em 2014, quando ele já era ministro da Aviação Civil do governo Dilma (PT).

De acordo com Carvalho, o ministro ‘facilitou a atuação da empresa em obras no Estado do Tocantins, incluindo a eclusa de Lajeado, que permitiria aumentar a navegabilidade do rio Tocantins’.

Na ocasião, Eliseu Padilha teria recebido R$ 2 milhões, como pedido para ‘ajudar nos custos da campanha do PMDB no País naquele ano’.

À Procuradoria-Geral da República, José de Carvalho Filho citou o interlocutor de nome ‘Edgar Santos, ligado ao partido’. Segundo o delator, Edgar teria sido o destinatário do dinheiro.

“Indicaram uma pessoa com o nome Edgar Santos ligado ao partido e que repassasse a ele o valor de R$ 2 milhões”, disse.

Carvalho ainda relata duas ocasiões em que Padilha teria recebido propina em 2014. Na primeira delas, em março, o executivo Benedicto Júnior – também delator da Odebrecht -determinou o pagamento de R$ 4 milhões, que teria sido feito no gabinete do então ministro da Aviação Civil.

Nesta época, a Odebrecht participava da concorrência das concessões de alguns aeroportos do País. Acabou levando o contrato do Galeão, no Rio.

Em maio de 2014, afirmou o delator, Marcelo Odebrecht determinou o pagamento de R$ 4 milhões, como ‘ajuda de campanha ao PMDB’.

Carvalho declarou que soube depois que Padilha destinou parte dos valores, cerca de R$ 1 milhão, para o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – preso na Lava Jato no Paraná.

Carvalho afirmou que recebeu uma ligação do ex-presidente da Câmara cobrando os valores. “Um belo dia me liga o deputado chateado, porque não tinha recebido o dinheiro, brigou comigo, falou de forma ostensiva e agressiva.”

O delator afirmou que o dinheiro pago a Padilha não foi contabilizado. Ele afirmou que desconhece o destino dado aos recursos e que apenas recebeu a ordem de seu superior, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, para que procurasse o peemedebista e avisasse que os valores estavam à disposição.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: