Delação de Palocci na PF provoca incertezas, dizem advogados

Delação de Palocci na PF provoca incertezas, dizem advogados

Constitucionalistas e penalistas apontam indefinição e 'inevitável insegurança jurídica' criadas em torno da extensão de acordos fechados com a polícia e sem aval do Supremo

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

27 de abril de 2018 | 06h10

Antonio Palocci. FOTO: Rodolfo Buhrer/REUTERS

A delação premiada que o ex-ministro AntOnio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) fechou com a Polícia Federal reacendeu a polêmica sobre a competência dos policiais para negociar tal tipo de acordo.

A votação sobre essa questão está parada no Supremo Tribunal Federal. Em 13 de dezembro, a maioria dos ministros (6 a 0) entendeu que autoridade policial pode fechar os acordos sem a necessidade da participação do Ministério Público. A sessão, no entanto, foi suspensa após solicitação do ministro Marco Aurélio.

+++Palocci diz a Moro que está disposto a revelar ‘nomes e operações do interesse da Lava Jato’

Para a advogada constitucionalista Vera Chemim, ‘esse acordo pode ser feito independentemente da indefinição do STF sobre o tema, porque a Lei 12.850/2013, a lei que define organização criminosa e abre caminho para as delações premiadas, já prevê que a Polícia Federal pode formalizar o acordo na fase de investigação’.

RELEMBRE: Operação Bullish deve selar delação de Palocci

“Posteriormente o juiz apenas homologa o acordo desde que seja legal, voluntário e regular”, explica.

Já o criminalista e constitucionalista Adib Abdouni alerta para a insegurança jurídica, enquanto a questão no Supremo não for definida.

VÍDEOS: Palocci entrega Lula

“De fato, a indefinição acerca da possibilidade e extensão de sua validade no que compete à celebração de acordo de colaboração premiada com a autoridade policial causa inevitável insegurança jurídica ao delator, que se expõe à uma voluntariedade de autoincriminação sem a certeza de que os benefícios prometidos serão cumpridos pelo Estado acusador.”

+++Supremo mantém Palocci preso na Lava Jato

+++Palocci diz querer colaborar, mas silencia sobre ‘Lula, o filho do Brasil’

Segundo o criminalista Alexandre Ribeiro Filho, do Vilardi Advogados, ainda há indefinição quanto aos limites de um acordo desse tipo com a PF. “Por maioria, o Supremo admitiu a possibilidade de a Polícia Federal negociar acordos de delação, ainda que os ministros não tenham chegado a uma conclusão quanto aos limites dessa negociação.”

+++Palocci foi o ‘porta-voz’ da propina para Delfim, diz procurador

+++Kadafi abasteceu campanha de Lula com US$ 1 milhão, diz Palocci

Marcellus Ferreira Pinto, advogado constitucionalista e eleitoral do Nelson Wilians e Advogados Associados, aponta para os riscos de uma eventual rejeição do acordo fechado com a PF. “É bom que se diga que eventual proibição na atuação da PF pode surtir efeitos sobre os trabalhos já executados. Uma decisão equivocada do STF pode colocar em risco a regularidade formal dos processos em curso e a validade do farto acervo probatório produzido em anos de investigação.”

Para Daniel Bialski, criminalista e sócio do Bialski Advogados, a possibilidade da PF fechar delação premiada significa uma evolução para o Judiciário.

+++’Somos um partido ou uma seita?’, reage Palocci ao PT

+++No reino do petismo, carta de Palocci é um constrangedor grito de ‘o rei está nu’

“Não acho que seja prejudicial, mas ao contrário, eu acho que seja uma evolução para que também os delegados de Polícia possam, dentro das possibilidades que cada caso vier a mostrar, requerer ao Poder Judiciário a concessão ou não desses benefícios”, diz.

Segundo Daniel Gerber, criminalista e professor de Direito Penal e Penal Empresarial, a prisão preventiva não se justifica no caso de a colaboração já estar de fato em andamento.

+++Palocci fez conjunto de simulações, diz Lula

“Sem dúvida alguma o acordo pode avançar e produzir efeitos, seja porque a lei ainda o permite, seja porque o STF já se inclina para tanto”, avalia Gerber. “Cumpre observar, entretanto, que o simples fato de tal acordo estar em andamento já demonstra a intenção de colaborar, motivo pelo qual a prisão preventiva se torna inconsistente. Não há como se imaginar alguém negociando colaboração e, ao mesmo tempo, representando risco a investigação criminal.”

+++Palocci incrimina Lula em ação sobre propinas da Odebrecht

Anna Julia Menezes, especialista em Direito Penal e Processual Penal do Braga Nascimento e Zilio Advogados, acredita que o conteúdo da delação de Palocci pode representar uma nova fase da Lava Jato.

“Na qualidade de ex-ministro dos governos de Lula e Dilma, a atenção está voltada ao conteúdo da delação de Palocci, que poderá resultar em um novo momento da Lava Jato, podendo, até mesmo, ensejar a abertura de novos inquéritos.”

Tendências: