Defesa pede ao Supremo que julgue legalidade do impeachment de Dilma

Defesa pede ao Supremo que julgue legalidade do impeachment de Dilma

Advogado da petista entra com petição na Corte máxima no âmbito de ação que defende a nulidade do processo que culminou com afastamento da ex-presidente

Isadora Peron, Fausto Macedo e Luiz Vassallo

24 de maio de 2017 | 16h32

Foto: Dida Sampaio/Estadão

A defesa da ex-presidente Dilma informou nesta quarta-feira, 24, que pediu ao Supremo Tribunal Federal que julgue a ação sobre a legalidade do impeachment da petista, ocorrido em 2016.

Segundo a assessoria de Dilma, o ex-ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), advogado da ex-presidente, entrou com petição no Supremo em que pede ao ministro Alexandre de Morais, relator da ação sobre o afastamento, que julgue logo o caso.

O caso está nas mãos de Alexandre de Moraes, desde que o ministro Teori Zavascki morreu, em janeiro deste ano.

A ação que defende a nulidade do processo de impeachment foi apresentada por Cardozo em setembro do ano passado.

No Tribunal Superior Eleitoral está em curso a Ação de Investigação Judicial Eleitoral que pede a cassação da chapa Dilma/Temer, eleita em 2014. A ação foi movida pelo PSDB.

Tudo o que sabemos sobre:

Dilma RousseffImpeachmentilegalidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.