Defesa de militar preso com 39 kg de cocaína na Espanha pede ajuda à OAB para acessar inquérito

Defesa de militar preso com 39 kg de cocaína na Espanha pede ajuda à OAB para acessar inquérito

Advogado Carlos Klomfahs, que representa o sargento da FAB Manoel Silva Rodrigues, flagrado em Sevilha no dia 25 de junho, afirma que até agora não teve acesso aos autos da investigação

Luiz Vassallo

15 de julho de 2019 | 17h35

O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilla, na Espanha, por transportar cocaína Foto: Reprodução

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs, defensor do sargento Manoel Silva Rodrigues, preso com 39 kg de cocaína na Espanha, pediu auxílio à OAB para ter acesso ao inquérito policial militar. Klomfahs teve negado pedido de habeas para consultar os autos, segundo decisão do presidente em exercício do Superior Tribunal Militar, ministro José Barroso Filho.

“Acabei de requerer auxílio do Conselho Federal da OAB e da Comissão de Prerrogativas para nos ajudar a ter acesso ao processo, uma vez que esse direito também é do advogado”, afirmou o advogado nesta segunda, 15.

Rodrigues foi preso no dia 25 de junho ao desembarcar em Sevilha com 39 kg de cocaína. O segundo-sargento é comissário de bordo e fazia parte de uma equipe de 21 militares que prestava apoio à comitiva que acompanhou Bolsonaro na reunião do G-20, no Japão.

Em uma petição ao Superior Tribunal Militar, a defesa chegou a solicitar liminar que determine o acesso aos autos.

“Numa análise inicial do presente writ, verifica-se que inexiste o constrangimento ilegal ventilado pela Defesa, a saber”, anotou o ministro.

Barroso argumentou que nos documentos anexados ao pedido de habeas não consta requerimento à 2.ª Auditoria de Brasília para acesso aos autos.

Tudo o que sabemos sobre:

Manoel Silva Rodrigues

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.