Defesa de Marcelo Odebrecht entrega documentos à Justiça

Defesa de Marcelo Odebrecht entrega documentos à Justiça

“Espero que o acordo seja cumprido”, diz advogado Nabor Bulhões

Fabio Serapião e Julia Affonso/CURTIIBA

18 Dezembro 2017 | 15h32

Marcelo Odebrecht em Curitiba, em setembro de 2015. FOTO: Rodolfo Buhrer/REUTERS

Os advogados do empreiteiro Marcelo Odebrecht entregaram na tarde desta segunda-feira, 18, uma série de documentos à Justiça Federal. O advogado Nabor Bulhões, responsável por acompanhar a execução da colaboração premiada do empresário, disse esperar que o acordo seja cumprido e seu cliente solto amanhã.

+ Presidente do Peru diz que ganhou ‘algum dinheiro’ com Odebrecht

Bulhões falou ao Estado após deixar o prédio da Justiça Federal do Paraná, em Curitiba, onde se reuniu com a juíza da 12 Vara Federal de Execução Penal, Carolina Lebbos.

+ Odebrecht faz ofensiva para pagar dívida

A defesa de Marcelo Odebrecht tenta conseguir que a Justiça libere o empresário nesta terça-feira, 19. Mas a soltura depende da entrega de uma série de documentos solicitados pelo Ministério Público Federal (MPF).

+ Raquel reafirma denúncia contra Jucá por propina de R$ 150 mil da Odebrecht

O MPF pediu que Odebrecht apresente uma lista de documentos até as 14h desta segunda-feira, 18. A Procuradoria quer ‘todos os apensos referidos na cláusula 4ª, inciso IV, do acordo, assim como documentos comprobatórios das informações neles constantes (extratos de contas, valores de bens móveis e imóveis, etc.)’.

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato querem ainda a ‘explicação do cálculo do valor de perdimento e documentos comprobatórios de seu efetivo recolhimento, inclusive do detalhamento dos valores, taxas de conversão, etc’.

Segundo Bulhões, todos os documentos já estão com o MPF uma vez que foram entregues no ato da assinatura do acordo. Para o defensor, não há mais nenhum documento que a defesa tenha que entregar e, como previsto no acordo, ele deve ser solto na terça-feira, 19.

“A própria Justiça concordou com os termos quando ele foi assinado. Como a previsão do acordo é aquele seja solto amanhã, estamos aguardando que isso seja cumprido”, diz Bulhões.