Defesa de Lula pede sua absolvição na ação sobre silêncio de Cerveró

Defesa de Lula pede sua absolvição na ação sobre silêncio de Cerveró

Advogados do ex-presidente entregaram nesta segunda-feira, 6, alegações finais no processo da 10.ª Vara Federal de Brasília, aberto com base na delação do ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT/MS)

Julia Affonso e Fausto Macedo

07 Novembro 2017 | 12h03

Lula. Foto: Bruna Prado/AP

A defesa do ex-presidente Lula protocolou nesta segunda-feira, 6, suas alegações finais referentes à ação penal em curso na 10.ª. Vara Federal de Brasília que trata da suposta compra do silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró (Internacional).

Documento

Os advogados de Lula analisaram os 31 depoimentos colhidos ao longo da instrução do processo, incluindo o do próprio Cerveró.

NO BLOG AGORA: + Lava Jato acha novas senhas da propina do Transporte do Rio: ‘tem leitinho na mamadeira’

Dayse, alvo da Lava Jato, se referia ao marido por ‘moça’, ‘menina’ e ‘nossa amiga’

Tribunal da Lava Jato reduz pena de Argello de 19 anos de prisão para 11

Boca Livre vê ‘duas décadas repletas de graves omissões e desídias’ do Ministério da Cultura

A investigação foi aberta com base na delação do ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT/MS) que relatou à Procuradoria-Geral da República que Lula teria se empenhado para a compra do silêncio de Cerveró, que, na ocasião – novembro de 2015 – estava fechando acordo de delação premiada.

Para a defesa, os depoimentos ‘demonstraram, de forma clara e absoluta, ser fantasiosa a versão apresentada por Delcídio do Amaral em seu acordo de colaboração premiada’.

“Esses depoimentos comprovaram que Lula jamais praticou qualquer ato objetivando impedir ou modular a delação de Cerveró”, assinala a defesa, sob responsabilidade dos criminalistas Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio.

Nas alegações finais, a defesa pede a absolvição de Lula com base no artigo 386, II, do Código de Processo Penal por ‘inexistência de prova do fato imputado’.

Os defensores do ex-presidente pedem, ainda, ‘providências para que seja reconhecida a nulidade da delação premiada de Delcídio’.

Os advogados de Lula sustentam que ‘Delcídio estava agindo em interesse próprio’.

“O Ministério Público já havia pedido a absolvição do ex-presidente Lula em suas alegações finais”, assinala a defesa. “Segundo a peça, ‘Delcídio estava agindo em interesse próprio. E Cerveró estava sonegando informações apenas no que se refere a Delcídio, e não sobre Lula, a quem inclusive imputava fatos falsos apenas no intuito de proteger Delcídio’.”

“Ainda de acordo com o Ministério Público Federal, ‘o chefe do esquema sagrou-se livre entregando a fumaça’.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoNestor Cerveró