Defesa de empresário pede a juiz da Lava Jato que cumpra decisão do STF

Dario de Queiroz Galvão, preso como alvo da investigação sobre propinas na Petrobrás, ganha habeas corpus no Supremo

Redação

06 de maio de 2015 | 16h51

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Julia Affonso

A defesa do empresário Dario de Queiroz Galvão, alvo da Operação Lava Jato, requereu nesta quarta feira, 6, ao juiz federal Sérgio Moro, condutor das ações sobre esquema de corrupção e propinas na Petrobrás, que dê “efeito imediato” à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) – nesta quarta feira, 6, o ministro Teori Zavascki acolheu habeas corpus e determinou a substituição da prisão preventiva imposta ao empresário por “medidas cautelares diversas da prisão”.

Dario Galvão. Foto: Divulgação

Dario Galvão. Foto: Divulgação

O pedido entregue à Justiça Federal no Paraná, base da Lava Jato, é subscrito pelas advogadas Sylvia Maria Urquiza Fernandes e Débora Noboa Pimentel.

As advogadas fazem menção à decisão do ministro Teori. “”Defiro parcialmente o pedido de liminar, para substituir a prisão preventiva de Dario de Queiroz Galvão Filho pelas mesmas medidas cautelares diversas da prisão aplicadas pela Segunda Turma desta Corte nos autos do HC 127186 […] Requisitem-se, contudo, informações ao juízo da 13ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Curitiba. Com as informações, dê-se vista à Procuradoria Geral da República, com urgência.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato