Defensoria e blocos espalham nas ruas do Rio 10 mil ventarolas contra o assédio

Defensoria e blocos espalham nas ruas do Rio 10 mil ventarolas contra o assédio

Iniciativa realizada pela Defensoria Pública do Rio, com mulheres integrantes da comissão 'Atenta e Forte', informa o que fazer em caso de assédio e a quem procurar na folia

Pepita Ortega

20 de fevereiro de 2020 | 07h08

A Defensoria Pública do Rio vai novamente botar o seu bloco na rua contra a importunação sexual que, nessa época do ano, torna-se ainda mais frequente em relação à mulher. No ano seguinte ao lançamento de cartilha sobre o assunto alertando para a conduta recentemente prevista como crime no Código Penal, a Defensoria lança o projeto em novo formato (o de ventarola) para facilitar o acesso de foliões à informação.

Documento

As informações foram divulgadas pela Defensoria Rio. Realizada em parceria com o coletivo ‘Atenta e Forte: Comissão de Mulheres Contra a Violência no Carnaval’, a iniciativa – composta por mulheres integrantes de mais de 60 blocos do Rio – prevê a entrega gratuita de 10 mil ventarolas nos cortejos.

O leque informa a população, por exemplo, sobre o que fazer em caso de de violência de gênero e quais serviços procurar na folia.

“Lançado no ano passado e remodelado esse ano para melhor atender às foliãs e aos foliões nos blocos, o projeto também segue a versão on-line no site da Defensoria”, destaca texto divulgado pela instituição.

No link ‘Para o Cidadão’ e ‘Publicações’ é possível acessar na íntegra a cartilha ‘Folia sim, Assédio Não’ amplamente divulgada pela instituição e que, em 2019, foi distribuída nos blocos para a população.

A publicação de 16 páginas informa de maneira mais detalhada o que é assédio, como fazer para se proteger desse tipo de crime e o que diz a lei. Em setembro de 2018, por exemplo, a legislação passou a enquadrar a importunação sexual como crime e a criminalizar a divulgação de cenas de estupro, nudez, sexo e pornografias, o que homens e mulheres ainda desconhecem.

“Aproveitamos o carnaval, período em que comportamentos como esse são ainda mais recorrentes, para informar a população em geral sobre o assunto”, disse a coordenadora de Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria, Flávia Nascimento.

Segundo Flávia, ‘tanto a cartilha on-line quanto a ventarola distribuída nos blocos informam as mulheres como identificar que estão passando por situações do tipo, e que isso não é mais tolerável’.

“Também serve aos homens no sentido de que saibam respeitar a vontade da mulher. Se ela disser não e a partir daquele momento não houver consentimento, a conduta pode ser considerada crime.”

Após lançar a cartilha em parceria com o bloco Mulheres Rodadas no ano passado, a Defensoria foi procurada por mulheres integrantes de outros blocos para ações como essa.

Elas fundaram o coletivo ‘Atenta e Forte’ também com a ideia de que o projeto seja permanente e não aconteça somente no carnaval.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.