‘Decisão cumpre a lei’, diz advogado de Flávio Bolsonaro, sobre Toffoli e o Coaf

‘Decisão cumpre a lei’, diz advogado de Flávio Bolsonaro, sobre Toffoli e o Coaf

Criminalista Frederick Wassef disse nesta terça, 16, ao 'Estado' que houve uma 'devassa ilegal' na vida do político, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro

Amanda Pupo/BRASÍLIA

16 de julho de 2019 | 22h42

Frederick Wassef, advogado de Flavio Bolsonaro FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Advogado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o criminalista Frederick Wassef disse nesta terça, 16, ao Estado que houve uma “devassa ilegal” na vida do político, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro. O defensor afirmou que a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, “cumpre a lei e faz justiça”, uma vez que, em sua visão, houve quebra ilegal do sigilo bancário e fiscal do senador.

“A autoridade do Poder Judiciário jamais teve ciência do que estava sendo feito com o Flávio, o que, no caso, foi uma devassa ilegal na sua vida”, disse. “Todo brasileiro tem seu direito sagrado, constitucional, ao sigilo bancário, fiscal, entre outros. Então, se qualquer pessoa quiser investigar qualquer brasileiro, inclusive o filho do presidente da República, é necessário cumprir a lei.”

No comando da defesa do senador desde junho, Wassef entende que o Ministério Público do Rio deve suspender automaticamente o procedimento que investiga Flávio. “Mas sempre existe a chance de alguém não ter esse entendimento pelo Rio e nós termos de peticionar (pedir a suspensão).” Para o advogado, o procedimento não tem “uma única prova” contra o senador. “Não existe sequer elementos para oferecer denúncia.”

Um relatório do Coaf identificou como “movimentação atípica” na conta de Flávio 48 depósitos de R$ 2 mil cada um, feitos entre junho e julho de 2017 em um caixa eletrônico dentro da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, onde Flávio exercia seu quarto mandato consecutivo como deputado estadual. Wassef negou qualquer irregularidade nas contas do senador.

A defesa de Fabrício Queiroz, representada pelo advogado Paulo Klein, afirmou ontem que vem “desde o início apontando uma série de irregularidades no curso da investigação”. “Esta decisão do Supremo só confirma os argumentos”, disse o advogado.

Tendências: