Decano vota para condenar Geddel e Lúcio por bunker dos R$ 51 mi

Decano vota para condenar Geddel e Lúcio por bunker dos R$ 51 mi

Após o voto de Celso de Mello, julgamento da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) será retomado na próxima terça-feira, 22; ainda faltam votar os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e a presidente da Turma, ministra Cármen Lúcia

Luiz Vassallo

15 de outubro de 2019 | 18h59

O decano do STF, ministro Celso de Mello. Foto: André Dusek/Estadão

BRASÍLIA – O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, votou nesta terça-feira (15) para condenar o ex-ministro Geddel Vieira Lima e seu irmão, o ex-deputado Lúcio Vieira Lima, no caso do bunker de R$ 51 milhões em Salvador, alvo da maior apreensão da história da Polícia Federal. O decano acompanhou o entendimento do relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, de condenar os irmãos pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Bunker dos R$ 51 milhões Foto: PF

Em relação aos outros dois denunciados, Job Ribeiro Brandão, ex-assessor parlamentar, e Luiz Fernando Machado da Costa, empresário, o revisor votou pela improcedência da denúncia, absolvendo-os por falta de provas (artigo 386, inciso VII, do Código de Processo Penal).

O ministro Celso de Mello salientou que, embora ambos tivessem participado das condutas, o Ministério Público Federal (MPF) não conseguiu provar que eles tivessem ciência da origem ilícita do dinheiro e que seus atos teriam contribuído para a reinserção dos valores no mercado de forma a ocultar os crimes antecedentes. “As acusações penais jamais se presumem provadas”, afirmou o decano.

Faltam votar os ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes e a presidente da Turma, ministra Cármen Lúcia.

Tendências: