Decano deve decidir até as 18h sobre pedido de Lula para suspender prazo de troca

Decano deve decidir até as 18h sobre pedido de Lula para suspender prazo de troca

O prazo para a substituição da cabeça da chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se encerra às 19h desta terça-feira, de acordo com advogados eleitorais do Partido dos Trabalhadores

Rafael Moraes Moura, Amanda Pupo e Teo Cury/BRASÍLIA

11 Setembro 2018 | 14h37

O decano do STF, ministro Celso de Mello. Foto: André Dusek/Estadão

BRASÍLIA – O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), deve decidir até as 18h desta terça-feira (11) sobre o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para adiar a sua substituição na cabeça da chapa petista, segundo o Broadcast Político apurou.

PGR se posiciona contra pedidos do PT para adiar prazo de troca de Lula

O prazo para a troca da cabeça da chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se encerra às 19h desta terça-feira, de acordo com advogados eleitorais do Partido dos Trabalhadores.

Dentro do STF, Celso de Mello é conhecido por elaborar decisões extensas e trabalhar madrugada adentro.

O PT recorreu ao STF para derrubar a decisão do TSE, que na madrugada de 1º de setembro negou o registro de Lula e o impediu de participar do horário eleitoral na condição de candidato.

Ao negar o registro de Lula no início deste mês, o TSE fixou um prazo de 10 dias para a substituição de Lula na cabeça de chapa. O prazo se encerra nesta terça-feira, mas o PT tenta ganhar mais tempo e adiá-lo até 17 de setembro, prazo final para a substituição de candidaturas, conforme o calendário eleitoral.

“A defesa do ex-presidente Lula aguarda a decisão do ministro Celso de Mello, na petição em que se pediu a concessão de efeito suspensivo ao recurso extraordinário. Com o respeito devido à Corte, não se pode admitir que as portas do processo eleitoral sejam fechadas a Lula sem que o STF fale”, sustentam em nota os advogados Luiz Fernando Casagrande Pereira, Maria Cláudia Bucchianeri e Fernando Neisser.

“Que a lei, a Constituição Federal e a ordem jurídica internacional sejam cumpridas. Que o STF dê ao Brasil a chance de escolher seu caminho”, afirmam os advogados de Lula.

A sigla quer que o STF dê a palavra final sobre a candidatura do ex-presidente, analisando um recurso extraordinário que foi enviado ao Supremo na noite do último domingo (9) pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber. (Rafael Moraes Moura, Teo Cury e Amanda Pupo)