Dados, internet das coisas e o futuro da logística no Brasil

Dados, internet das coisas e o futuro da logística no Brasil

Victor Hugo Moreira*

26 de agosto de 2020 | 04h30

Victor Hugo Moreira. FOTO: DIVULGAÇÃO

Não é de hoje que a chamada indústria 4.0 chama a atenção de diversos segmentos do mercado. O constante desenvolvimento tecnológico, que possibilita novos processos de produção, mais rápidos e de altíssima qualidade, fomenta discussões que envolvem esse tema, que continua atual e de extrema importância. E é fácil entender o interesse pelo assunto, haja vista seu potencial para afetar diversas áreas da indústria.

A logística é um componente essencial para que a indústria 4.0, de forma efetiva, alcance seu potencial. Para que isso aconteça no Brasil, como já acontece em diversos pontos do mundo, é preciso avaliar o quanto a logística caminha junto com as tecnologias emergentes e em que medida é capaz de utilizá-las adequadamente. Atualmente, duas inovações que estão à frente dessa evolução são a Internet das coisas (ioT) e, por consequência, a Análise de Dados.

Porém, por que a Internet das Coisas e a Análise de Dados devem ganhar destaque quando se fala na logística da indústria 4.0?

Entender o papel da Logística ajudará a compreender sua real função e importância dentro desse novo modelo industrial. Considerando um complexo sistema que gerencia o fluxo de ativos e informações, envolvendo diversas áreas que vão do departamento financeiro ao de transporte, a logística também é uma das principais áreas envolvidas quando o assunto é manter metas e performance com o menor custo operacional possível. Planejamento e informação estão no cerne da questão, portanto.

Então, assim como a Indústria 4.0 tem como característica a introdução de novas tecnologias para a digitalização de processos industriais, isto também exige soluções logísticas baseadas em novas tecnologias que afetem o transporte e a gestão das cadeias de abastecimento. O conjunto de soluções capazes de compreender o fluxo e condições dos ativos e pessoas em movimento são chamadas de Logística 4.0 e dependem da tecnologia para reunir e processar quantidades enormes de dados, para tomadas de ações e automatizar processos internos e externos.

Dos sensores que podem fornecer visibilidade detalhada da trajetória de itens e mercadorias até as plataformas que reúnem os dados e informações para otimizar o gerenciamento de frotas, estoques e cargas, a logística tem buscado, cada vez mais, aproveitar os benefícios que a Internet das coisas (IoT) tem a oferecer para o setor.

A aplicação da IoT dentro da Logística é uma das mais promissoras e com maior potencial no mercado. E eu arriscaria até a dizer que as mudanças que essa tecnologia pode trazer para o setor são essenciais para a sobrevivência das empresas em um futuro muito mais próximo do que se imagina.

Uma das principais mudanças dentro do setor está na gestão do armazém, por exemplo. A aplicação da IoT no ambiente de armazenamento permite um compartilhamento de informações de forma mais eficiente e precisa, auxiliando no controle de inventário e melhorando o rastreamento e transparência das operações.

O monitoramento da trajetória do produto em todas as suas etapas é outro ponto a se destacar sobre a aplicação da IoT no ambiente de logística. O avanço da tecnologia torna esse acompanhamento de extrema importância para as empresas. Ter a visibilidade completa da operação ajuda na captação de dados, tomadas de decisões e, com isso, a buscar e encontrar pontos de melhorias e otimizações em todo o processo.

De fato, alcançamos um patamar no setor do qual já não dá para retornar, e o futuro da Logística é promissor. Com a Internet das Coisas, o volume de dados que se consegue manusear, nos dias de hoje, e a expectativa de implementação de novas tecnologias que devem chegar ao mercado, como a inclusão do 5G, as empresas brasileiras que tomarem a dianteira neste quesito, sem dúvida, conquistarão um destaque que poderá ser decisório.

*Victor Hugo Moreira é fundador e CEO da Trackage

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: