Curitiba, 15h, Moro e Cunha frente a frente pela primeira vez

Curitiba, 15h, Moro e Cunha frente a frente pela primeira vez

Em audiência cercada de grande expectativa, juiz da Lava Jato vai interrogar um dos seus muitos réus, o ex-presidente da Câmara, acusado de receber propina de US$ 5 milhões na compra pela Petrobrás, em 2011, de parte do campo de Benin

Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

07 de fevereiro de 2017 | 06h00

montagemmorocunha

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), vai ser interrogado nesta terça-feira, 7, pelo juiz federal Sérgio Moro, símbolo da Operação Lava Jato. É a primeira vez que Moro e Cunha ficam cara a cara. A audiência está programada para ter início às 15 horas, na 13.ª Vara Federal de Curitiba, base da Lava Jato.

O ex-deputado está preso em Curitiba. A Polícia Federal o prendeu por ordem Moro em 19 de outubro de 2016. Até aqui, o peemedebista escolheu o silêncio como estratégia. Mas, nesta terça, seu comportamento ainda é uma incógnita – ele poderá ir além das respostas exclusivamente sobre a acusação que pesa contra ele neste processo.

Nesta ação, a segunda em que Cunha é réu na Lava Jato, o deputado cassado teria recebido em suas contas na Suíça propinas de ao menos R$ 5 milhões referentes à aquisição, pela Petrobrás, de 50% do bloco 4 de um campo de exploração de petróleo na costa do Benin, na África, em 2011.

O negócio foi tocado pela Diretoria Internacional da estatal, cota do PMDB no esquema de corrupção.

O Ministério Público Federal sustenta que parte destes recursos foi repassada para Cláudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha, também em contas no exterior – a transação está sendo investigada em outra ação, específica contra a mulher do peemedebista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.