Cunha e investigados agem com ‘lógica de gangue’, diz defesa de lobista

Cunha e investigados agem com ‘lógica de gangue’, diz defesa de lobista

Advogados de Julio Camargo, que denunciou propina de US$ 5 milhões ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que a CPI da Petrobrás tem tomado 'uma série de medidas para desmoralizar a investigação' da Lava Jato

Redação

30 de julho de 2015 | 12h26

Julio Camargo denunciou propina a Eduardo Cunha. Fotos: Reprodução e Estadão

Julio Camargo denunciou propina a Eduardo Cunha. Fotos: Reprodução e Estadão

Por Julia Affonso e Fausto Macedo

A defesa do lobista Julio Camargo, delator da Operação Lava Jato que denunciou propina de US$ 5 milhões ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e outros investigados agem com a lógica da gangue. Segundo os advogados de Julio Camargo, a CPI da Petrobrás tem tomado ‘uma série de medidas para desmoralizar a investigação’. Para eles, está ‘em vigor a “moral da gangue”, que acredita por triunfar pela vingança, intimidação e corrupção’.

“Eventuais contradições de Julio Camargo, advém de seu justificado temor em relação ao deputado federal Eduardo Cunha, que hoje ocupa a presidência do Poder Legislativo Federal”, diz o documento que apresenta as alegações finais do lobista à Justiça, anexado aos autos do processo na quarta-feira, 29. “A reação dos investigados contra o colaborador ocorrem em várias instâncias informais, que vão desde a maledicência à calúnia descarada e formais com o uso da Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobrás para desencorajar e desacreditar a colaboração prestada por Camargo, está em vigor a “moral da gangue”, que acredita por triunfar pela vingança, intimidação e corrupção.”

‘Você está louco?’, disse Lobão a Eduardo Cunha, segundo delator

Lobista conta como pagou US$ 10 mi em propina, sob pressão de Cunha

Veja quem são os políticos investigados na Lava Jato

camargo-cunha

Clique para ampliar

No dia 16 de julho, Julio Camargo declarou à Justiça Federal que o suposto operador do PMDB no esquema de corrupção da Petrobrás, Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, lhe disse que estava sendo pressionado por Eduardo Cunha para pagamento de propina. Os valores da propina teriam saído de compras de navios-sonda. Segundo relato de Julio Camargo, o peemedebista exigia US$ 5 milhões.

“Ninguém desconhece as críticas que Camargo vem recebendo diariamente por ter colaborado com o MPF, especialmente após ter revelado que foi vítima de coação por um parlamentar que descaradamente lhe exigiu US$ 5 milhões”, dizem os advogados do lobista. “Astuciosamente afirmam que a versão de Julio Camargo é mentirosa, teria sido engendrada pelo Procurador Geral da República para prejudicar o parlamentar envolvido nos fatos, nada mais falso: – o escândalo e falsidade não estão nas palavras de Camargo, mas na corrupção daqueles que juraram proteger a coisa pública, sacerdotes infiéis ao culto que dizem professar se tornaram servos e cultores das falcatruas envolvendo dinheiro público.”

Na ocasião, Eduardo Cunha desmentiu as declarações de Julio Camargo e o desafiou a prová-las. Segundo ele, ‘após ameaças publicadas em órgãos da imprensa, atribuídas ao Procurador-Geral da República (Rodrigo Janot), de anular a sua delação caso não mudasse a versão sobre mim, meus advogados protocolaram petição no STF alertando sobre isso’.

“O delator já fez vários depoimentos, onde não havia confirmado qualquer fato referente a mim, sendo certo ao menos quatro depoimentos”, afirmou. “É muito estranho, às vésperas da eleição do Procurador Geral da República e às vésperas de pronunciamento meu em rede nacional, que as ameaças ao delator tenham conseguido o efeito desejado pelo Procurador Geral da República, ou seja, obrigar o delator a mentir.” 

Para a defesa de Julio Camargo, a reação dos acusados e investigados não causa estranheza. Segundo os advogados, eles ‘agem como crianças que desejam uma coisa, mas não suas conseqüências’.

“Ameaçam o Poder Judiciário e o colaborador com “um troco”, cientes do poder econômico e político que desfrutam deixam no ar um lembrete – “Hoje investigado , amanhã faço a lei”, basta ver o que a CPI tem tomado uma série de medidas para desmoralizar a investigação, convocando familiares de colaboradores e pedindo a quebra de seus sigilos bancários e fiscais, além de medidas de coação contra Delegados Federais e advogados, a lógica da gangue continua vigorando: intimidação e corrupção”, diz o documento subscrito pelos advogados Antonio Augusto Figueiredo Basto, Luis Gustavo Rodrigues Flores, Rodolfo Herold Martins, Adriano Sérgio Nunes Bretas e Tracy Joseph Reinaldet. Eles assumiram a defesa de Julio Camargo, após a saída da advogada Beatriz Catta Preta, na semana passada.

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo Cunhaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: