Crise no setor automobilístico é oportunidade para locadoras de carros?

André Ricardo*

12 de novembro de 2021 | 04h00

Com o cenário de escassez de peças para produção de carros, em outubro, a indústria automotiva registrou a quarta queda mensal nas vendas de veículos zero por falta de produtos no mercado, segundo dados da Fenabrave. O resultado da indústria em setembro foi o pior desde 2005, com vendas de 155 mil automóveis.

As perspectivas para o setor, infelizmente, não são muito positivas para 2022 também. Em conversas que tive nas últimas semanas com os fabricantes de automóveis, a previsão é que o próximo ano continue difícil ainda, com baixa produção de veículos e alta do preço do carro zero. Hoje, as locadoras já contam com um atraso de 800 mil veículos para serem entregues.

Diante dessas informações, temos duas saídas: esperar pelo pior ou pensar na inovação do negócio, sabendo que essa fase vai passar e o cenário voltará a ser promissor. Como eu prefiro sempre enxergar o copo meio cheio, acredito que toda crise traz, sim, oportunidades.

2022 será um ano positivo para o mercado de locação e assinaturas de carros

Com os preços altos do carro zero e a supervalorização dos seminovos, cada vez menos, as pessoas terão acesso à compra de carros novos. Colocando na ponta do lápis, o aumento atual do preço do carro novo somado ao juros real, vai gerar um aumento superior a 50% ou 60% na média de modelos zero quilômetro, se comparado com o valor antes da crise. Dessa forma, para andar de carro novo, a assinatura de veículos passa a ser a melhor opção. No mercado corporativo, as empresas vão optar pela terceirização de frotas, uma vez que o valor investido no carro alugado tende a ser mais barato do que o carro comprado.

Outra estratégia que enxergo como oportunidade para as locadoras será o aluguel de seminovos. Essa modalidade deve se destacar no próximo ano, já que o valor do serviço tende a ser mais baixo do que o de carro zero.

Momento de priorizar a eficiência operacional

Também acredito que é a hora de rever a operação e definir estratégias para aumentar a eficiência operacional. Boa parte das pequenas e médias locadoras mantém seus negócios contando com a sorte para não perder lucratividade ou, pior, operam no vermelho por não saberem exatamente o que incluir na precificação e como cobrar o cliente.

Uma maneira de resolver isso é automatizar o processo de precificação, permitindo ao gestor ter a visibilidade completa dos parâmetros de preços.

Estima-se que o mercado de locação, considerando todas essas frentes, representa 70% dos mais de 15 mil CNPJs com registro focado em mobilidade urbana. Com a automatização do processo de precificação é possível, por exemplo, entender qual o impacto das taxas de juros negociadas com o banco na precificação, o quão rentável é para a locadora atuar em alguns nichos, considerando os variados impactos de depreciação de cada operação; identificar os custos fixos, como manutenção e ainda descobrir a lucratividade mínima que é preciso obter.

A parametrização é muito rica e faz justiça à complexidade do negócio de maneira a blindar as locadoras, principalmente diante de momentos de crise. Mais do que isso, permite um crescimento consistente e sem sustos. Com o aumento do interesse das pessoas pelo carro como serviço, não há mais espaço para uma gestão baseada em ‘achismos’.

Quem não se profissionalizar, perderá mercado e deixará de aproveitar as oportunidades que batem à porta.

*André Ricardo, CEO da Solution4Fleet

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.