Credores aprovam recuperação da Galvão Engenharia

Credores aprovam recuperação da Galvão Engenharia

Três grupos em assembleia no Rio, nesta sexta, 28, reconhecem comprometimento do grupo em honrar seus compromissos

Redação

29 de agosto de 2015 | 05h00

Por Fausto Macedo e Mateus Coutinho

galvaodiv

A recuperação judicial da Galvão Engenharia foi aprovada nesta sexta-feira, 28, pela assembleia de credores, no Rio. A Galvão é alvo da Operação Lava Jato. Quando ingressou com o pedido de Recuperação Judicial, em março, a empresa apontou publicamente a ‘inadimplência’ da Petrobrás como um dos motivos das suas dificuldades financeiras.

Foi a primeira das mais de vinte empresas na mira da força-tarefa do Ministério Público Federal e da Polícia Federal a entrar em Recuperação.

A aprovação da Recuperação foi decidida pelos três grupos de credores.  Os credores trabalhistas votaram 100% pela aprovação. Micro e pequenas empresas 95,93%. Grandes credores, principalmente bancos, 89,69%.

Caixa, Bradesco, Votorantim, Pine, BIB, ABC, HSBC todos a favor. Banco do Brasil se absteve. Itaú e Santander foram contra. A dívida vai ser paga integralmente com a venda da concessão da BR-153, da CAB ambiental e de uma pedreira em São Paulo.

Em março, a Galvão Engenharia apresentou à Justiça do Rio pedido de recuperação. Também adotou a mesma medida a Galvão Participações. O pedido não incluiu as demais empresas do Grupo – CAB Ambiental, Galvão Óleo e Gás, Concessionária de Rodovias Galvão BR 153 e Galvão Finanças.

A Galvão Engenharia é uma das empreiteiras sob suspeita de ter formado cartel para assumir o controle de contratos bilionários na Petrobrásentre 2004 e 2014.

Em dezembro, a Justiça Federal aceitou denúncia contra quatro executivos da empreiteira por suposto envolvimento no esquema de formação de cartel e corrupção na Petrobrás. Jean Alberto Luscher, diretor-presidente, Erton Medeiros Fonseca, diretor-presidente da Divisão de Engenharia Industrial, Eduardo de Queiroz Galvão, presidente do Conselho de Administração do Grupo Galvão, e Dario de Queiroz Galvão Filho, presidente do Grupo Galvão, tornaram-se réus por corrupção ativa e formação de quadrilha.

Em março, quando ingressou com Recuperação Judicial, o Grupo Galvão assinalou que “o pedido de Recuperação Judicial decorre da atual condição financeira da Galvão Engenharia e suas consequências na Galvão Participações, situação esta agravada pela inadimplência de alguns de seus principais clientes, dentre eles a Petrobrás”.
“A companhia estatal não honrou pagamentos de serviços adicionais executados, por ela solicitados e atestados”, afirmou o Grupo, então.

Nesta sexta-feira, 28, após a assembleia, a Assessoria de Imprensa do Grupo Galvão esclareceu que a aprovação do Plano de Recuperação Judicial da Galvão Engenharia e da Galvão Participações pela Assembleia Geral de Credores ‘é o reconhecimento da seriedade e do comprometimento do grupo em honrar com todos os seus compromissos, preservar a organização e o emprego de seus funcionários e colaboradores’.

“É também uma demonstração da confiança nas instituições e nos instrumentos oficiais de negociação entre as empresas e seus funcionários e fornecedores”, diz nota oficial da empresa.

LEIA A NOTA OFICIAL DO GRUPO GALVÃO

“A aprovação do Plano de Recuperação Judicial da Galvão Engenharia e da Galvão Participações pela Assembleia Geral de Credores é o reconhecimento da seriedade e do comprometimento do grupo em honrar com todos os seus compromissos, preservar a organização e o emprego de seus funcionários e colaboradores.

É também uma demonstração da confiança nas instituições e nos instrumentos oficiais de negociação entre as empresas e seus funcionários e fornecedores.

A Justiça e os credores atestaram, com a aprovação do plano, que o Grupo Galvão possui todas as condições financeiras e a credibilidade necessárias para seguir prestando serviços de excelência em engenharia e infra-estrutura de que tanto necessita o país.

‘A aprovação do plano em tempo recorde demonstra a solidez do programa apresentado e a credibilidade que a empresa tem no mercado’, afirma o advogado Flávio Galdino, que representa o Grupo Galvão no processo de recuperação judicial. ‘Destaco ainda que o plano aloca os principais ativos das empresas ao pagamento dos credores e não prevê desconto; todos os compromissos com os credores serão quitados.’

O Grupo Galvão, apesar de todos os seus esforços, foi vitimado pela grave situação econômica que vive o Brasil. Mais especificamente, pela inadimplência de alguns de seus maiores clientes.

O Grupo tem um programa consolidado de recuperação e conta com a capacidade e a aplicação de seus funcionários e colaboradores para, com lisura, ética e transparência, superar essa etapa e continuar a escrever sua história de excelência na execução de projetos de grande relevância para o país.

Assessoria de imprensa do Grupo Galvão”

Tudo o que sabemos sobre:

Galvão Engenhariaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.